15:08 04 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Hoje atualizado
    URL curta
    27380
    Nos siga no

    Bom dia! A Sputnik Brasil está de olho nas notícias mais importantes desta quarta-feira (22), marcada pelo colapso do sistema de saúde do Amazonas, pela reabertura gradual dos EUA e pelo lançamento do primeiro satélite militar iraniano.

    Coronavírus no Brasil

    De acordo com as secretarias estaduais de Saúde, o Brasil registra 43.368 casos de COVID-19 e 2.761 vítimas fatais. Somente na última semana, foram registrados mais de 1.000 novos óbitos. Os sistemas de saúde do país começam a entrar em colapso: o Ceará anunciou que 100% das vagas de UTI estão ocupadas e o prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto (PSDB), disse à Folha de São Paulo que a cidade chegou ao "ponto de barbárie". Nesta quarta-feira (22), o governador de São Paulo, estado mais afetado pela COVID-19, irá divulgar o plano de reabertura econômica, a ser executado a partir de 11 de maio.

    Caixa paga hoje auxílio a mais 7,2 milhões de brasileiros

    Nesta quarta-feira (22), a Caixa Econômica Federal deve repassar o auxílio emergencial de R$ 600 a cerca de 7,2 milhões de brasileiros. O lote de hoje inclui 1,2 milhão de beneficiários do Cadastro Único, 1.924.261 beneficiários do Bolsa Família e 4,1 milhões de cadastrados via aplicativo e site. A Caixa já repassou cerca de R$ 16,3 bilhões a 24,2 milhões de brasileiros. No entanto, o banco alerta que seu sistema está sobrecarregado por pessoas que, apesar de não terem direito ao auxílio, acessam o aplicativo.

    Agente de saúde realiza teste do novo coronavírus na frente do Estádio Mané Garrincha, em Brasília, 21 de abril de 2020
    © REUTERS / Ueslei Marcelino
    Agente de saúde realiza teste do novo coronavírus na frente do Estádio Mané Garrincha, em Brasília, 21 de abril de 2020

    Mais de 2.7000 mortes por COVID-19 em 24 horas nos EUA

    Mais de 2.700 pessoas infectadas pelo novo coronavírus faleceram em um único dia nos EUA, informou a Universidade Johns Hopkins (EUA). Os EUA são o país mais afetado pela COVID-19, com mais de 825 mil casos e 45.075 vítimas fatais. Quase 50% das mortes ocorreram em somente uma semana. No entanto, o presidente Donald Trump anunciou que 20 estados norte-americanos estão se preparando para suspender as medidas de isolamento social.

    Enfermeiras protestam contra retirada de medidas de isolamento social na frente da Casa Branca, sede do governo dos EUA, em Washington, 21 de abril de 2020
    © REUTERS / Leah Millis
    Enfermeiras protestam contra retirada de medidas de isolamento social na frente da Casa Branca, sede do governo dos EUA, em Washington, 21 de abril de 2020

    Austrália engrossa coro e pede investigação internacional sobre COVID-19

    Nesta quarta-feira (22), o primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, informou ter conversado com os líderes da França, Alemanha e EUA para apoiar a condução de uma investigação internacional sobre a origem e propagação do novo coronavírus. A embaixada da China em Camberra acusou o governo australiano de ser "porta-voz da administração Trump", que busca culpar a China pela pandemia. Nesta terça-feira (22), o estado norte-americano de Missouri processou a China e pediu uma compensação financeira por danos causados pelo novo coronavírus.

    ONU alerta para risco de fome 'de proporções bíblicas' em função da COVID-19

    O diretor-geral do Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas, David Beasley, alertou para a possibilidade de fome "de proporções bíblicas" nos próximos meses, afetando 265 milhões de pessoas, em função da pandemia de COVID-19. Para ele, cerca de 130 milhões de pessoas poderão passar fome até o fim de 2020, além dos 135 milhões que já estão em zonas consideradas de alta vulnerabilidade. A Comissão Econômica para América Latina e Caribe (CEPAL), por sua vez, alertou que a retração econômica na região, estimada em 5,3%, deve ser a maior da história.

    Residentes da comunidade Chapéu Mangueira preparam refeições para moradores de rua de Copacabana, no Rio de Janeiro, 21 de abril de 2020
    © REUTERS . Lucas Landau
    Residentes da comunidade Chapéu Mangueira preparam refeições para moradores de rua de Copacabana, no Rio de Janeiro, 21 de abril de 2020

    Afeganistão pede ajuda a Moscou para combater COVID-19

    Nesta quarta-feira (22), o governo de Cabul solicitou ajuda à Rússia para combater a epidemia de COVID-19 no país, informou o embaixador russo em Cabul, Aleksandr Mantitsky, à Sputnik. "Recebemos o pedido através da comissão parlamentar conjunta", disse o embaixador. O Afeganistão confirmou 1.093 casos de COVID-19 e 36 vítimas fatais até o momento. A Rússia, por sua vez, informou ter realizado 2,2 milhões de testes em seu território. Moscou já registra quase 58 mil casos de COVID-19 e 513 vítimas fatais.

    Mais:

    Cientistas chineses alertam para estirpes de coronavírus '270 vezes mais fortes' que as mais fracas
    Sem apoio de Brasil e EUA, ONU aprova esforço global para combater a COVID-19
    Ex-ministro: Bolsonaro deve ser afastado por ofender matriz normativa do Estado
    Tags:
    Austrália, satélite militar, Brasil, Irã, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar