01:08 30 Maio 2020
Ouvir Rádio
    Hoje atualizado
    URL curta
    2302
    Nos siga no

    Bom dia! A Sputnik Brasil está de olho nas matérias mais importantes desta sexta-feira (3), marcada pelo anúncio de 1 milhão de casos mundiais de COVID-19, pela votação do "orçamento de guerra" no Congresso e pelo acordo para tentar salvar os preços do petróleo em meio à pandemia.

    Coronavírus no Brasil

    O Brasil registra 7.910 casos oficialmente confirmados de COVID-19 e 223 vítimas fatais, o que corresponde a um aumento de 1.074 casos e 58 mortos em somente um dia. A taxa de letalidade no país atingiu 3,8%. O Ministério da Saúde informou que a primeira morte por coronavírus ocorreu ainda em 23 de janeiro, um mês antes da confirmação do que se acreditava ser o primeiro caso de COVID-19 no país. A paciente tinha 75 anos e morava em Minas Gerais.

    Garoto ajusta máscara protetora, em Paraisópolis, em São Paulo, 30 de março de 2020
    © REUTERS / Amanda Perobelli
    Garoto ajusta máscara protetora, em Paraisópolis, em São Paulo, 30 de março de 2020

    Maia quer acelerar votação do 'orçamento de guerra'

    O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, informou que pretende iniciar hoje (3) a votação em dois turnos da proposta de emenda constitucional sobre o "orçamento paralelo". Apelidado de "orçamento de guerra", a proposta separa o Orçamento Geral da União dos gastos emergenciais destinados ao combate à pandemia de COVID-19 e permite que o governo gaste mais durante o estado de calamidade pública. O "orçamento de guerra", segundo a proposta, se estenderá até o dia 31 de dezembro deste ano.

    Coronavírus no mundo

    O mundo ultrapassou a marca de 1 milhão de pessoas infectadas pelo novo coronavírus. Foram necessários 76 dias para registrar os primeiros 500 mil casos e somente 8 dias para atingir a marca de 1 milhão. Nesta sexta-feira (3), o chefe do serviço sanitário australiano, Brendan Murphy, disse acreditar que o número de casos de COVID-19 no mundo seja de 10 milhões. Murphy aponta a falta de testes como o principal motivo para que os números globais não sejam precisos. O número de mortes atingiu 53.146, concentrados sobretudo na Itália, Espanha e França.

    Coronavírus nos EUA

    Os EUA se consolidam como país com maior número de casos de COVID-19 no mundo, com 245.573 infectados, o que representa 24% dos casos globais. Nesta quinta-feira (2), os EUA bateram recorde ao registrar 1.116 mortes em um dia, superando a Itália, que havia tido 969 mortes no dia 27 de março. Em função da pandemia, 10 milhões de norte-americanos perderam seus empregos desde a segunda quinzena de março.

    Prédio do Empire State, em Nova York, iluminado para homenagear os agentes de saúde que combatem a COVID-19, 2 de abril de 2020
    © REUTERS / Andrew Kelly
    Prédio do Empire State, em Nova York, iluminado para homenagear os agentes de saúde que combatem a COVID-19, 2 de abril de 2020

    Marinha dos EUA demite capitão que deu alerta sobre COVID-19 em porta-aviões

    A Marinha dos EUA demitiu o capitão Brett Crozier do comando do porta-aviões USS Theodore Roosevelt. O capitão escreveu uma carta, que posteriormente vazou ao público, solicitando ao Pentágono que tomasse medidas enérgicas para conter a propagação de COVID-19 no navio. O secretário interino da Marinha dos EUA, Thomas Modly, informou que 114 marinheiros do porta-aviões estão infectados pelo novo coronavírus. Leia mais sobre o afastamento do capitão.

    China aconselha diplomatas a não viajar para Pequim

    Nesta sexta-feira (3), o Ministério das Relações Exteriores da China emitiu nota aconselhando membros de delegações diplomáticas estrangeiras a não viajar para a capital do país, Pequim. A China já havia proibido a maioria dos estrangeiros de entrar no país, a fim de prevenir uma segunda onda de infecções por COVID-19, informou a porta-voz do ministério, Hua Chunying. Ela acrescentou que o governo chinês tem informações de casos de COVID-19 entre membros de delegações diplomáticas estrangeiras na China.

    Time de voluntários desinfeta teatro na cidade chinesa de Wuhan, na província de Hubei, 2 de abril de 2020
    © REUTERS / Aly Song
    Time de voluntários desinfeta teatro na cidade chinesa de Wuhan, na província de Hubei, 2 de abril de 2020

    Trump elogia 'ótimo' acordo entre Arábia Saudita e Rússia sobre petróleo

    O presidente dos EUA, Donald Trump, elogiou o acordo entre a Arábia Saudita e a Rússia para reduzir a produção e conter a queda dos preços do petróleo, em meio à pandemia. De acordo com Trump, Riad e Moscou devem cortar sua produção entre 10 e 15 milhões de barris diários (bpd), o que representaria um corte de 10% a 15% da oferta mundial, reportou a Reuters. O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, disse que o acordo pode ter efeito limitado, uma vez que a baixa demanda mundial, em função da COVID-19, seria o principal motivo da queda dos preços.

    Mais:

    Ministro da Saúde rouba protagonismo de Bolsonaro, mas não deve cair, diz especialista
    Trump diz que Rússia enviou suprimentos médicos de 'alta qualidade' aos EUA
    Encontrada razão para elevada taxa de mortalidade na Itália devido ao coronavírus
    Tags:
    Rússia, Arábia Saudita, Petrobrás, petróleo, COVID-19, Brasil, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar