10:12 10 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    • Manifestantes gesticulam durante protestos entre apoiadores do processo eleitoral e oposição, na cidade de La Paz, em 5 de novembro de 2019
    • Manifestante coloca uma paródia de carta de renúncia do Presidente Evo Morales nas ruas da cidade de La Paz, no dia 5 de novembro de 2019
    • Tropa de choque se posiciona para enfrentar manifestantes, que construíam barricadas improvisadas, durante confronto entre manifestantes
    • Manifestante, protegido com máscara de gás, atira bomba de gás lacrimogênio durante protestos em La Paz, ocorridos no dia 31 de outubro de 2019
    • Homem ferido é acudido pela polícia, durante conflito entre manifestantes na cidade de La Paz, nesta terça-feira (5)
    • Manifestante segura uma bomba de gás lacrimogênio nas mãos, em meio à conflitos entre manifestantes na Bolívia, no dia 5 de novembro
    • Tropa de choque tenta afastar bomba de gás lacrimogênio atirada por manifestante, durante confronto em La Paz, no dia 5 de novembro de 2019
    • Homem com vestes típicas dos índios andinos joga pedras, durante confronto entre manifestantes em função dos resultados das eleições presidenciais de outubro de 2019
    • Membros da tropa de choque coordenam ação durante confrontos entre manifestantes na cidade boliviana de La Paz, em 5 de novembro de 2019
    • Manifestantes que acatam os resultados das eleições e manifestantes contrários aos resultados se encaram em meio a protestos, em La Paz, em 5 de novembro de 2019
    • Tropa de choque observa fogo ateado durante confrontos entre manifestantes que acatam os resultados das eleições e manifestantes que acusam o governo de fraude eleitoral, em La Paz, em 5 de novembro de 2019
    • Grupo acode uma mulher durante confronto entre manifestantes que eclodiu na cidade boliviana de La Paz, nesta terça-feira (5)
    © REUTERS / Kai Pfaffenbach
    Manifestantes gesticulam durante protestos entre apoiadores do processo eleitoral e oposição, na cidade de La Paz, em 5 de novembro de 2019.

    Protestos da oposição boliviana, liderada pelo político Carlos Mesa, tiveram início após as eleições presidenciais de 20 de outubro. O Supremo Tribunal Eleitoral anunciou a vitória de Evo Morales, mas oposição acusa o governo de fraude eleitoral.

    O partido do atual presidente, Movimento ao Socialismo (MAS), alcançou 2.889.074 votos, equivalente a 47,07%. O principal partido de oposição, a Comunidade Cidadã (CC), obteve 2.240.894 votos, ou 36,51%. A vantagem, de pelo menos 10,55% dos votos, daria a vitória a Evo Morales, sem a necessidade de enfrentar Carlos Mesa em um segundo turno.

    Protestos contra os resultados das eleições iniciaram antes mesmo da conclusão da apuração dos votos. O líder de oposição Carlos Mesa denunciou os resultados como fraudulentos. Na semana das eleições, manifestantes atearam fogo a colégios eleitorais em diversas cidades do país.

    O governo denunciou que a oposição tenta desestabilizar o país e mobilizou as suas bases, que saíram às ruas para defender os resultados eleitorais. Em 31 de outubro, protestos na província de Santa Cruz se tornaram violentos. 

    Nesta quinta-feira (07), o governo boliviano e a Organização dos Estados Americanos (OEA) iniciarão auditoria no processo eleitoral, para investigar as denúncias de fraudes.

    Mais:

    Venezuela acusa EUA de tentarem golpe na Bolívia
    Vice-presidente da Bolívia diz que opositor Carlos Mesa é 'mau perdedor' por convocar protestos
    Evo: forças da oposição preparam golpe de Estado na Bolívia
    Tags:
    eleições, Organização dos Estados Americanos (OEA), Eleições na Bolívia, Bolívia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar

    Mais fotos