02:17 23 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    2170
    Nos siga no

    O presidente da Sérvia, Aleksandr Vucic, previu neste domingo (10) que a Europa se encontraria por pelo menos mais seis meses enfrentando escassez de gás.

    "Esta crise não terminará sozinha nos próximos seis meses, e possivelmente por mais tempo [...] Pode levar dois anos para ser resolvida", comentou Vucic em uma coletiva de imprensa, após receber o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, na capital sérvia, Belgrado.

    O presidente sugeriu que a escassez de gás se deve à dependência excessiva da Europa de fontes de energia renováveis, junto com sua relutância politicamente motivada em chegar a acordos de fornecimento de longo prazo com a Rússia.

    No início desta semana, o preço do gás na Europa bateu um novo recorde, ultrapassando US$ 1.900 (cerca de R$ 10.473) por mil metros cúbicos. No final, acabou por recuperar mas, ainda assim, permaneceu com um valor alto, caindo para cerca de US$ 1.200 (aproximadamente R$ 6.614).

    A Sérvia depende da Rússia para o fornecimento de gás natural. Só em 2018, a gigante russa Gazprom (empresa estatal de gás natural) exportou 2,2 bilhões de metros cúbicos de gás russo para a Sérvia.

    Vucic disse que a nação sérvia estava especialmente grata "à Rússia por sua assistência na preservação da estabilidade e segurança energética de nosso país".

    O presidente da Sérvia acrescentou que esperava encontrar-se com seu homólogo russo, Vladimir Putin, antes do final de 2021.

    Mais:

    Putin exorta a não colocar países em posição difícil devido ao gás
    AUKUS vai 'ajudar Austrália a conter' a China e poderá afetar laços entre Rússia e UE, diz Lavrov
    Trump critica Biden por destruir 'independência energética' dos EUA pedindo ajuda da Rússia e OPEP
    Tags:
    Sérvia, Belgrado, presidente, declarações, crise, energia, Europa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar