01:52 25 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    7531
    Nos siga no

    Especialista avaliou a situação energética na União Europeia, listando razões para a grande subida dos preços do gás natural no bloco, incluindo a forma como lidou com o gasoduto Nord Stream 2.

    A atual crise energética na Europa poderia ter sido facilmente evitada se o bloco tivesse se abstido de atrasar a operação do gasoduto Nord Stream 2 (Corrente do Norte 2) por razões políticas, disse Mamdouh Salameh, economista internacional de energia, e professor visitante de economia da energia na Escola de Negócios ESCP Europa em Londres, Reino Unido, à Sputnik.

    O economista referiu que o papel das políticas energéticas da União Europeia (UE) e a pressão dos ativistas ambientais também são razões para as empresas de energia europeias se desfazerem de seus ativos de petróleo e gás, o que tem contribuído para o déficit de fornecimento. Para cúmulo desses problemas, os países da UE poderiam ter lido mal o mercado e atrasado a reposição de suas reservas de gás, de acordo com Salameh.

    "A UE poderia ter se poupado muito da crise energética que enfrenta agora se não politizasse a energia usando várias táticas para atrasar a operação do recém-concluído gasoduto russo Nord Stream 2, que supostamente traria 50 bilhões de metros cúbicos adicionais de gás russo sob o mar Báltico para a Alemanha e a UE", opinou Salameh.

    Os preços do gás natural têm subido no mercado europeu nos últimos meses, impulsionados pela crescente demanda de energia em meio a uma recuperação econômica após meses de lockdowns, bem como a um fornecimento limitado. Na quarta-feira (6) o preço do gás futuro na Europa bateu um novo recorde, ultrapassando US$ 1.900 (R$ 10.427,60) por 1.000 metros cúbicos, embora tenha caído várias horas depois.

    Nord Stream 2 é uma joint venture das empresas Gazprom, Royal Dutch Shell, OMV, Engie, Uniper, e Wintershall. O gasoduto tem como objetivo transportar gás natural da Rússia para a Alemanha sob o mar Báltico. Em 10 de setembro, a empresa estatal de gás natural russa Gazprom anunciou que o projeto foi concluído. Vários políticos nos EUA e países europeus manifestaram oposição ao gasoduto, especialmente em relação ao seu significado para o futuro do trânsito de gás via Ucrânia.

    Mais:

    Disputa entre Argélia e Marrocos poderia ter consequências no mercado do gás europeu
    Europa pede para Rússia aumentar fornecimento de carvão para aliviar crise energética, diz mídia
    União Europeia revela plano para reduzir dependência de gás russo
    Tags:
    Europa, União Europeia, UE, Nord Stream 2, Gazprom, Royal Dutch Shell, Engie, Wintershall, Rússia, Alemanha, mar Báltico, Sputnik, Corrente do Norte 2, Londres, Reino Unido
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar