01:14 23 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    9250
    Nos siga no

    O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, declarou nesta quarta-feira (29) que pretende exigir aos EUA uma indenização por eles terem excluído a Turquia do programa de caças F-35.

    Durante o voo de volta à Turquia após uma reunião na Rússia com o presidente Vladmir Putin, Erdogan disse aos jornalistas que espera se reunir com seu homólogo norte-americano Joe Biden no final de outubro em Roma no âmbito da cúpula do G20, segundo AP.

    Erdogan indicou que durante esse encontro discutirá o projeto de F-35, incluindo o reembolso de US$ 1,4 bilhão (R$ 7,6 bilhões) que Ancara tinha pagado por este programa antes de ser expulsa.

    "Fizemos um pagamento de US$ 1,4 bilhão, o que acontecerá com isso?", perguntou o presidente turco. "Não ganhámos – e não ganhamos – este dinheiro facilmente. Ou eles nos darão nossos aviões ou nos darão o dinheiro."

    Além disso, Erdogan sublinhou que seu governo não desistirá do acordo com Rússia para aquisição dos avançados sistemas de defesa antiaérea S-400. Este acordo provocou a exclusão da Turquia, membro da OTAN, do programa norte-americano de aviões de combate furtivos e a imposição de sanções por parte de Washington.

    Os EUA se opõem que os membros da Aliança Atlântica usem sistemas antiaéreos russos, dizendo que representam uma ameaça para a segurança dos F-35. Por sua vez, a Turquia afirma que os sistemas S-400 podem ser usados de forma independente sem serem integrados nos sistemas da OTAN, por isso não representam nenhum risco.

    Mais:

    Pentágono: EUA entregarão 6 embarcações de patrulha à Ucrânia no valor de US$ 84 milhões
    UE teria adiado conversas com Austrália sobre comércio livre devido a quebra de contrato com França
    Coreia do Norte diz ter testado novo míssil terra-ar com novas tecnologias
    Pequim prevê corrida armamentista na região devido à criação da AUKUS
    Tags:
    Turquia, EUA, Rússia, s-400, Recep Tayyip Erdogan, F-35
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar