21:09 23 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    13374
    Nos siga no

    Paris já não pode confiar na Austrália nas negociações comerciais em curso entre Camberra e a UE, depois que o lado australiano decidiu de repente cancelar o contrato de compra de submarinos franceses.

    Isso foi constatado pelo ministro dos Assuntos Europeus da França, Clément Beaune, hoje, sexta-feira (15).

    "Nós estamos em meio a negociações comerciais com a Austrália. Não vejo como podemos confiar nos parceiros australianos."

    Recentemente, o Estado australiano abandonou o acordo de US$ 90 bilhões (R$ 480,91 bilhões) com a empresa francesa Naval Group, no âmbito do qual a última deveria construir vários submarinos de ataque para o país.

    Paris criticou a decisão, indignada também pela promessa dos Estados Unidos a Camberra de fornecer para a Austrália submarinos de propulsão nuclear, e chamou esse último passo de "facada nas costas".

    A Austrália está em conversações para a firmação de um acordo com a União Europeia, seu maior parceiro comercial, desde 2018, tendo já passado por 11 rodadas de negociações. A próxima está prevista para ocorrer em setembro-outubro deste ano e é suposto que cubra questões comerciais, de serviços, investimentos e direitos de propriedade intelectual.

    No entanto, agora o progresso nas negociações, organizadas pela Comissão Europeia, está sob questão, uma vez que Camberra decidiu abandonar o acordo. O governo australiano anunciou o passo logo após os EUA, Reino Unido e Austrália terem anunciado a criação de uma nova aliança militar, chamada AUKUS, a fim de operar no Indo-Pacífico. No âmbito desta nova união, os EUA concordaram em vender submarinos movidos a energia nuclear à Austrália.

    Mais:

    França cancela comemoração conjunta com EUA de aniversário da batalha naval em protesto
    Reino Unido está 'ativamente recrutando' novos espiões para os enviar à Ásia
    Cai fora, que esse acordo é meu!
    Tags:
    Austrália, França, EUA, submarino
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar