00:14 24 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    4131
    Nos siga no

    A União Europeia (UE) deverá tomar um maior controle de sua própria segurança se quiser evitar situações como o conflito no Afeganistão, liderado pelos EUA, disse o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel.

    Em seu discurso no Fórum Estratégico de Bled, na Eslovénia, nesta quarta-feira (1º), Michel disse que afirmar a influência europeia será o "maior desafio" para o bloco nos próximos anos.

    Com o final de uma guerra de 20 anos, é visível a "forte demonstração" por que Bruxelas deveria ponderar sobre o modo como conduz sua política externa.

    "Em minha opinião, não precisamos de outro evento geopolítico como esse [guerra no Afeganistão] para entender que a UE deve lutar por uma maior autonomia de decisão e maior capacidade de ação no mundo", declarou Charles Michel.

    Mais de 1.100 membros das forças aliadas dos EUA, incluindo de países-membros da UE, perderam suas vidas na guerra afegã.

    A influência europeia será nosso maior desafio.
    Não precisamos de outro Afeganistão para compreender que a UE deve lutar por uma maior autonomia e capacidade de ação.
    Nossa autonomia estratégica requer que trabalhemos em nossas capacidades de poder econômico, vizinhança e segurança.

    Se o bloco espera desenvolver uma "autonomia estratégica", deve reforçar seu poder econômico, "reforçar" suas parcerias regionais e rever sua abordagem de defesa, apontou o presidente do conselho.

    Bruxelas já havia expressado seu desejo de desenvolver uma estratégia de defesa separada da política externa de Washington. Em 2018, o presidente francês, Emmanuel Macron, argumentou que o bloco precisava de um "verdadeiro exército europeu" para que pudesse se defender melhor "sozinho", se necessário.

    Mais recentemente, em maio deste ano, o chefe do Estado-Maior da França, general de exército François Lecointre, argumentou que a UE deveria trabalhar para "satisfazer as expectativas de segurança de seus cidadãos" e evitar ser apanhada em um potencial conflito entre os EUA e a China.

    Mais:

    UE precisa agir rapidamente contra influência russa e chinesa no Afeganistão, diz Borrell
    EUA firmam acordo secreto para talibãs escoltarem americanos até Aeroporto de Cabul, diz mídia
    UE prepara resposta para 'impedir migração descontrolada do Afeganistão', diz mídia
    Tags:
    EUA, UE, Conselho Europeu, Charles Michel, política externa, autonomia, política econômica
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar