15:21 31 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    0 321
    Nos siga no

    Em resposta às sanções da União Europeia, Belarus proíbe a entrada dos representantes das estruturas europeias e de cidadãos de países da UE que ajudaram à introdução de medidas restritivas, anunciou chancelaria belarussa.

    "Em resposta, será proibida a entrada a Belarus aos representantes de estruturas europeias e pessoas dos países da União Europeia as quais prestaram assistência à introdução das medidas restritivas. O lado belarusso continua elaborando outras medidas de resposta, incluindo de caráter econômico", conforme informou a entidade na segunda-feira (28).

    Adicionalmente, o Estado belarusso tomou a decisão de suspender sua participação na iniciativa da UE Parceria Oriental e também iniciou o procedimento de suspensão do acordo de readmissão da UE.

    Mesmo assim, o MRE belarusso expressou sua esperança que as personalidades oficiais da União Europeia e seus países-membros vão perceber a "desvantagem e futilidade de decisões sobre aplicação de uma abordagem de força" nas relações com Minsk.

    "As propostas do lado belarusso para o desenvolvimento do diálogo, interação e cooperação com a União Europeia com base nos princípios de igualdade e respeito mútuo permanecem em vigor", ressalta o comunicado.

    Além disso, o chefe da Delegação da União Europeia em Belarus, Dirk Shubel, foi convocado ao Ministério das Relações Exteriores do país a respeito da introdução de sanções europeias contra Minsk.

    O representante de Belarus na UE foi convocado à capital belarussa para consultas.

    "Ao chefe da Delegação da União Europeia em Belarus também foi proposto viajar para Bruxelas para consultas, a fim de esclarecer seus chefes quanto à posição do lado belarusso sobre a inadmissibilidade da pressão e das sanções", diz o comunicado.

    O texto ressalta que "durante o encontro, ao embaixador da União Europeia foi declarada a posição firme do lado belarusso sobre a inadmissibilidade absoluta da aplicação de sanções como instrumento de pressão sobre um Estado soberano e independente".

    A aeronave da Ryanair, que transportava o jornalista e ativista opositor Roman Protasevich, desviada a Belarus, onde o opositor foi detido, pousa em Vilnius, Lituânia, 23 de maio de 2021
    © REUTERS / Andrius Sytas
    A aeronave da Ryanair, que transportava o jornalista e ativista opositor Roman Protasevich, desviada a Belarus, onde o opositor foi detido, pousa em Vilnius, Lituânia, 23 de maio de 2021

    Em 23 de maio, um voo da Ryanair viajando de Atenas, capital da Grécia, para Vilnius, capital da Lituânia, fez um pouso de emergência devido a uma ameaça de bomba, que mais tarde se revelou falsa. O Ministério do Interior de Belarus confirmou que a bordo estava Roman Protasevich, que fundou um canal do Telegram designado como extremista por Minsk.

    Após reunião em 24 de maio, os líderes da UE tomaram a decisão de fechar seu espaço aéreo para os aviões belarussos e também recomendaram às companhias aéreas europeias para evitarem voos sobre o território de Belarus. O bloco apelou à imposição de sanções contra o país o mais rápido possível.

    Mais:

    Controladores se recusaram a se comunicar com Ryanair antes do pouso do avião em Belarus, diz mídia
    EUA prometem impor sanções a Belarus após desvio de avião
    Caso Ryanair: Rússia ajudará Belarus se União Europeia impuser sanções contra Minsk, diz MRE russo
    Tags:
    UE, embaixador, sanções, avião, Ryanair, Belarus
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar