02:35 21 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    3194
    Nos siga no

    Devido às preocupações de "anexação" de Belarus pela Rússia, os países-membros da UE acordaram um plano para interessar Moscou com oferta de entendimento político e cooperação econômica, conforme escreveu o jornal El País.

    Como variante contrária, se prevê a intensificação da escalada, de acordo com a mídia espanhola.

    Referindo-se a fontes anônimas, El País declarou que durante a cúpula a portas fechadas da UE na semana passada, após o incidente com o avião da Ryanair, alguns líderes de países europeus expressaram suas preocupações que a Rússia pudesse se aproveitar da situação atual e "anexar" Belarus.

    Contudo, o porta-voz do presidente russo Vladimir Putin, Dmitry Peskov, tinha afirmado que não se está falando sobre a unificação da Rússia e Belarus, mas sim que existem planos de integração mais profunda dentro da União da Rússia e Belarus.

    Segundo dados do veículo de imprensa, o plano elaborado pela UE foi acordado na semana passada. Os membros da União Europeia esperam que as ofertas propostas "permitam superar sete anos de enfrentamentos", nota a mídia.

    "Os 27 [países da UE] planejam agora uma contraofensiva que vão concretizar na cúpula europeia no final de junho", segundo o artigo. Conforme os dados da mídia, as propostas do lado da UE serão acompanhadas de uma mensagem clara: a alternativa a esse princípio de reconciliação seria uma escalada de tensões e uma "espiral" de sanções que podem danificar "ainda mais a frágil economia russa".

    No último domingo (23), uma aeronave da companhia Ryanair com mais de 120 passageiros a bordo, que fazia a rota entre Atenas e Vilnius, precisou realizar uma aterrissagem de emergência em Minsk por uma suposta ameaça de bomba, que depois não se confirmou.

    Uma foto tirada em 23 de maio de 2021 mostra o avião de passageiros Boeing 737-8AS da Ryanair, vindo de Atenas, Grécia, que foi interceptado e desviado para Minsk, em Belarus
    © AFP 2021 / Petras Malukas
    Uma foto tirada em 23 de maio de 2021 mostra o avião de passageiros Boeing 737-8AS da Ryanair, vindo de Atenas, Grécia, que foi interceptado e desviado para Minsk, em Belarus

    As autoridades belarussas enviaram um caça MiG-29 para escoltar a aeronave e, durante sua escala forçada em Minsk, detiveram o jornalista Roman Protasevich. Protasevich, cujos canais no Telegram foram utilizados para coordenar os protestos pós-eleitorais em Belarus, é acusado por Minsk de vários delitos, entre eles a organização de distúrbios públicos, o que poderia lhe render uma pena de até 15 anos de prisão.

    Os líderes europeus, em resultado das discussões sobre Belarus em 24 de maio, tomaram a decisão política de proibirem os voos de aviões belarussos no espaço aéreo europeu, bem como recomendaram às companhias aéreas para evitarem sobrevoar Belarus. A UE apelou à imposição de novas sanções contra o Estado belarusso o mais rápido possível por causa do incidente.

    Em resposta, Belarus declarou que a mensagem sobre a bomba no avião chegou por e-mail ao aeroporto de Minsk. Foi informado que foi o próprio comandante da aeronave quem tomou a decisão sobre o pouso. Pouco depois, as autoridades aéreas de Belarus divulgaram a transcrição da conversa entre o piloto e o controlador aéreo, a qual não contém quaisquer ameaças contra a tripulação.

    Mais:

    Sequestro de avião por Belarus ou ato legítimo: como leis da aviação civil interpretam estes casos?
    Caso Ryanair: Rússia ajudará Belarus se União Europeia impuser sanções contra Minsk, diz MRE russo
    Chanceler português: 'Rússia pode contar com a União Europeia como o parceiro confiável'
    Tags:
    UE, Ryanair, Rússia, Belarus
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar