13:31 18 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    0 90
    Nos siga no

    Pela primeira vez, a Alemanha reconheceu ter cometido genocídio durante a era colonial na Namíbia, e prometeu bilhões de euros em ajuda aos descendentes das vítimas. 

    A medida foi bem recebida pelo governo namíbio, embora ativistas tenham dito que o gesto é insuficiente. O pedido de desculpas chega após cinco anos de negociações entre os dois países. 

    "Agora vamos nos referir oficialmente a esses eventos como o que são da perspectiva de hoje: genocídio", disse o ministro das Relações Exteriores alemão, Heiko Maas. "À luz da responsabilidade histórica e moral da Alemanha, pediremos perdão à Namíbia e aos descendentes das vítimas pelas atrocidades cometidas", acrescentou, segundo a agência Reuters.

    Entre 1884 e 1915, o então território da Namíbia estava sob controle da Alemanha. À época, fazendeiros alemães mataram milhares de integrantes das tribos herero e nama. O genocídio ocorreu entre os anos de 1904 e 1908, sendo descrito por historiadores como o primeiro evento do tipo do século 20. 

    O ministro das Relações Exteriores afirmou ainda que, em um "gesto de reconhecimento do imenso sofrimento infligido às vítimas", a Alemanha apoiará a "reconstrução e o desenvolvimento" da Namíbia por meio de um programa financeiro de 1,1 bilhão de euros (cerca de R$ 7 bilhões).

    O presidente da Namíbia, Hage Geingob, disse que a atitude alemã era um gesto "histórico". Líderes locais, no entanto, afirmaram que a compensação era pequena para o massacre perpetrado contra o povo local.

    Na quinta-feira (27), o presidente da França, Emmanuel Macron, reconheceu o papel desemprenhado pelo país europeu no genocídio de Ruanda.

    Mais:

    Alemanha cobra explicações de Minsk após pouso de emergência de voo em Belarus
    Turcos exigem que EUA abandonem base aérea de Incirlik após Biden reconhecer genocídio armênio
    Termo genocídio 'deve ser aplicado a Washington e não a Ancara', diz vice-presidente turco
    Tags:
    África, colonialismo, genocídio, Heiko Maas, Alemanha, Namíbia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar