23:13 23 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    Mundo em meio à pandemia da COVID-19 no fim de maio de 2021 (61)
    0 50
    Nos siga no

    A Agência Europeia de Medicamentos (EMA, na sigla em inglês) disse nesta quinta-feira (27) que não há evidências suficientes para apoiar o uso de corticosteroides inalados para tratar pacientes com COVID-19.

    Mas a EMA informou que havia dados suficientes no momento para continuar o uso de dexametasona e que embora sua força-tarefa contra a COVID-19 não tenha encontrado nenhum risco de segurança para os corticosteroides, ela não pode excluir a possibilidade de danos em pacientes com níveis normais de oxigênio.

    Os cientistas têm estudado os benefícios de vários medicamentos de combate à inflamação para tratar a COVID-19, incluindo alguns tratamentos para artrite e corticosteroides, como dexametasona e budesonida.

    ​Uma infecção pelo novo coronavírus pode causar inchaço em órgãos, incluindo os pulmões, o que também pode levar a complicações graves.

    Em setembro do ano passado, a EMA aprovou a dexametasona para o tratamento de pacientes com COVID-19 com problemas respiratórios, depois que um estudo britânico mostrou que ela ajudou a reduzir as taxas de mortalidade em pacientes hospitalizados gravemente enfermos. A droga é barata e amplamente disponível.

    "Mais evidências de ensaios clínicos são necessárias para estabelecer os benefícios dos corticosteroides inalados em pessoas com COVID-19", disse a EMA.

    Tema:
    Mundo em meio à pandemia da COVID-19 no fim de maio de 2021 (61)

    Mais:

    COVID-19: EMA encontra 'possível ligação' entre vacina da Johnson & Johnson e coágulos sanguíneos
    OMS e EMA farão inspeção nas instalações onde é produzida a Sputnik V
    EMA reitera que benefícios da vacina AstraZeneca contra COVID-19 superam os riscos 'muito raros'
    Tags:
    tratamento, medicamentos, COVID-19, pandemia, saúde, Europa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar