07:29 14 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    121638
    Nos siga no

    Em função do número de imigrantes muçulmanos e judeus na França, o recente conflito no Oriente Médio envolvendo Israel e Palestina tornou-se um catalisador político, deflagrando uma nova crise no governo de Emmanuel Macron.

    As ações no Oriente Médio, historicamente, reverberam com força na França, principalmente nas cidades onde há um grande número de imigrantes judeus e muçulmanos.

    Nesta sexta-feira (14), o país viveu uma nova escalada de tensões, no esteio de uma decisão do ministro do Interior, Gérald Darmanin, que proibiu uma manifestação pró-Palestina em Paris, escreve a Rádio França Internacional.

    O ato em apoio aos palestinos estava previsto para este sábado (15). Gérald Darmanin, ao cancelar o evento unilateralmente, alegou "riscos de ameaças à ordem pública".

    As autoridades francesas querem evitar cenas de violência como as registradas em 2014, durante um protesto contra a ofensiva israelense à Faixa de Gaza.

    A atual escalada de tensões entre Israel e o Hamas, que controla o território palestino, provoca reações acaloradas tanto da esquerda quanto da direita francesa.

    Palestinos reunidos perto de prédios destruídos pelos ataques aéreos em meio ao surto de violência entre Israel e a Palestina, na Faixa de Gaza, 13 de maio de 2021
    © REUTERS / Mohammed Salem
    Palestinos reunidos perto de prédios destruídos pelos ataques aéreos em meio ao surto de violência entre Israel e a Palestina, na Faixa de Gaza, 13 de maio de 2021
    O senador considerado de esquerda Pierre Laurent denunciou a "colonização sistemática e ilegal de Jerusalém Oriental pelo poder extremista de Netanyahu, por um exército de ocupação e por colonos fanáticos".

    "A França é o único país do mundo onde todas as manifestações de apoio aos palestinos e de protesto contra o governo de extrema direita israelense são proibidas. O único objetivo dessa decisão é provocar incidentes e estigmatizar essa causa", acusou o líder do partido França Insubmissa, Jean-Luc Mélenchon.

    A Associação Palestinos de Paris, que convocou o ato, fala "em provocação, ataque à democracia e cumplicidade da França com o Estado de Israel". A entidade vai entrar com recurso na Justiça nesta sexta-feira (14) contestando a proibição.

    Já os líderes do partido Os Republicanos, de direita, apoiaram a interdição da manifestação. A conservadora Valérie Pécresse chamou o Hamas de grupo terrorista, e enfatizou que a reação de Israel é legítima.

    Macron, por sua vez, teve uma conversa pelo telefone com o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, e prevê ainda uma discussão com o premiê Benjamin Natanyahu para frisar a "urgência em relançar decisivamente as negociações e retomar a paz".

    Presidente da França, Emmanuel Macron, em conferência de imprensa após reunião do Conselho Europeu, no Palácio de Elysée, Paris, França, 25 de março de 2021
    © REUTERS / Benoit Tessier
    Presidente da França, Emmanuel Macron, em conferência de imprensa após reunião do Conselho Europeu, no Palácio de Elysée, Paris, França, 25 de março de 2021

    Mais:

    Em Paris, Alberto Fernández diz que partilha preocupação da França com a Amazônia
    Chefe do Exército francês diz ser 'mais razoável' que militares renunciem para criticar governo
    MRE chinês: exercícios dos EUA, França e Japão não intimidam China, apenas gastam combustível
    Tags:
    manifestações, manifestação, conflito israel palestina, Jihad Islâmica Palestina, Autoridade Palestina, Ministério do Interior da França, Ministério do Interior, Emmanuel Macron, israel, França
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar