01:49 24 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    3281
    Nos siga no

    O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, participou nesta sexta-feira (7) de uma reunião virtual do Conselho de Segurança da ONU e criticou a política de sanções da União Europeia e EUA.

    De acordo com o chanceler russo, Sergei Lavrov, Moscou considera inaceitáveis ​​as tentativas de impor o totalitarismo por parte dos EUA e da União Europeia.

    Lavrov apontou que um exemplo da introdução de métodos autoritários é a prática de sanções unilaterais ilegais levadas a cabo pelo Ocidente, que são introduzidas sem qualquer base legal internacional.

    "Em uma pandemia, essas restrições reduzem drasticamente a capacidade de vários países em desenvolvimento de resistir à propagação da infecção", disse o ministro russo.
    Bandeiras russa e norte-americana na embaixada dos EUA em Moscou, Rússia
    © Sputnik / Maksim Blinov
    Bandeiras russa e norte-americana na embaixada dos EUA em Moscou, Rússia

    "Consideramos inadmissíveis tais medidas para inculcar o totalitarismo nos assuntos mundiais, que estão cada vez mais sendo usados ​​por nossos colegas ocidentais - em primeiro lugar, os Estados Unidos, União Europeia e outros aliados, rejeitando todos os princípios da democracia e do multilateralismo no âmbito da arena internacional", destacou o chanceler.

    Segundo ele, "o Ocidente deixou de se preocupar com as normas do direito internacional e agora exige que todos sigam suas regras e observem a ordem por elas estabelecida".

    Mais:

    Rússia expulsará diplomatas americanos em resposta a sanções dos EUA, diz Lavrov
    EUA se reservam o direito de retaliar sanções russas
    EUA dizem que podem responder a reações de Moscou após anunciarem nova onda de sanções
    Decreto de Biden permite aos EUA estender sanções contra dívida soberana da Rússia
    Tags:
    sanções, totalitarismo, Ditado Total, Sergei Lavrov, União Europeia, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar