09:55 16 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    6420
    Nos siga no

    Moscou anunciou que oito cidadãos de Estados-membros da União Europeia e representantes de órgãos oficiais da UE estão proibidos de entrar na Rússia, disse o Ministério das Relações Exteriores nesta sexta-feira (30).

    De acordo com a chancelaria russa, as medidas foram introduzidas em resposta à decisão da UE de barrar a entrada de seis cidadãos russos, e atinge, entre outros, o presidente do Parlamento Europeu, David Sassoli.

    "Tais ações [sanções antirrussas] da União Europeia não deixam dúvidas de que seu verdadeiro objetivo é conter o desenvolvimento de nosso país a qualquer custo. Para impor seu conceito unilateral de uma 'ordem mundial baseada em regras' que mina o direito internacional... Isso é feito de forma aberta e deliberada. E, claro, com o conhecimento e incentivo dos Estados Unidos, que não escondem seu interesse em transformar a Europa em uma arena de agudo confronto geopolítico", disse o ministério. 

    ​Além de Sassoli, a Rússia proibiu a entrada de Ivars Abolins, presidente do Conselho Nacional de Mídia Eletrônica da Letônia, Maris Baltins, diretor do Centro de Línguas do Estado da Letônia, Jacques Maire, membro da delegação francesa na Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa, Jorg Raupach, chefe da promotoria de Berlim, Ana Scott, chefe do laboratório de segurança química e nuclear do Instituto de Pesquisa em Defesa da Suécia, Ilmar Tomusk, chefe do departamento de línguas da Estônia, e Vera Jourova, vice-presidente da valores e transparência na Comissão Europeia.

    Mais:

    A maioria dos sírios vive na pobreza enquanto EUA e UE impõem sanções ao país, diz diplomata russo
    Acordo comercial entre UE e Reino Unido é ratificado pelo Parlamento Europeu
    UE considera 'rejeitar' acordo de investimento com China devido a sanções de Pequim
    Tags:
    Suécia, Europa, EUA, França, Alemanha, Letônia, Estônia, UE, sanções, União Europeia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar