03:35 12 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    9260
    Nos siga no

    A continuação da prisão do fundador do WikiLeaks, Julian Assange, enfraquece a liberdade de imprensa no Reino Unido, disse o editor-chefe do site, Kristinn Hrafnsson, nesta sexta-feira (30).

    Em janeiro, o Tribunal de Londres negou a extraditação de Assange para os Estados Unidos, mas também recusou conceder o pagamento de fiança a Assange até que um recurso dos EUA contra o veredito da não extradição fosse ouvido.

    "O fato de Julian ainda estar na prisão mina seriamente a capacidade do Reino Unido de se proclamar defensor da liberdade de imprensa em todo o mundo", disse Hrafnsson a repórteres, conforme noticiado pela AFP.

    Apoiadores de Assange planejam realizar vigílias neste domingo (2), dia que marca dois anos desde que o australiano foi levado para a prisão de Belmarsh em Londres, e também na segunda-feira (3), Dia Mundial da Liberdade de Imprensa.

    Apoiadores de Julian Assange em Londres, 30 de maio de 2019
    © Sputnik / Lourdes Gómez
    Apoiadores de Julian Assange em Londres, 30 de maio de 2019

    Jennifer Robinson, membro da equipe jurídica de Assange, disse que as condições do jornalista em Belmarsh eram "muito difíceis" e que ele permanece "muito isolado" – após anos de restrições à sua liberdade.

    "Estamos muito preocupados com a continuação de sua detenção e consideramos isso desproporcional", acrescentou a advogada.

    Tanto Robinson quanto Hrafnsson pediram ao presidente norte-americano Joe Biden que retirasse as acusações contra Assange e que o governo australiano fizesse mais em nome do cidadão do país.

    A prisão de Julian Assange

    O australiano de 49 anos está detido na prisão de alta segurança desde que foi condenado em 2019, após sua remoção à força da embaixada do Equador em Londres, onde se abrigou por sete anos.

    O jornalista é procurado por Washington para enfrentar 18 acusações relacionadas à publicação de 500 mil arquivos secretos pelo WikiLeaks em 2010. Os documentos detalham, entre outros assuntos, as campanhas militares no Afeganistão e no Iraque.

    Os EUA afirmam que Assange ajudou a analista de inteligência Chelsea Manning a roubar os documentos antes de expor as informações confidenciais ao mundo.

    Assange enfrenta uma possível sentença de 175 anos se for condenado pelo governo dos EUA. Os defensores do jornalista, no entanto, argumentam que o caso contra ele foi politicamente motivado pelo ex-presidente Donald Trump.

    Mais:

    Snowden comemora rejeição da extradição de Assange
    Presidente do México, López Obrador diz que considera oferecer asilo político para Julian Assange
    'Poderia ​​voltar para casa': primeiro-ministro australiano abre as portas do país para Assange
    Rafael Correa quer impeachment de Lenín Moreno por 'traição' no caso Assange
    Tags:
    liberdade de imprensa, Chelsea Manning, Joe Biden, Estados Unidos, Reino Unido, Londres, wikileaks, WikiLeaks, prisão de Julian Assange, Julian Assange
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar