13:01 01 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    2314
    Nos siga no

    Dezenas de legisladores de Bruxelas condenaram os esforços da China para "silenciar" críticos europeus através de sanções, e prometeram bloquear o Acordo Compreensivo de Investimento (CAI, na sigla em inglês) entre a União Europeia (UE) e a China enquanto as medidas chinesas permanecem em vigor.

    Na quarta-feira (28), durante um debate no Parlamento Europeu, mais de 30 membros condenaram as sanções impostas por Pequim no mês passado, destinadas a representantes eleitos, embaixadores, acadêmicos e think tanks.

    Os legisladores europeus avisaram à China que o acordo de investimento está "congelado" e miraram os funcionários da Comissão Europeia que, segundo os legisladores, priorizaram os laços comerciais com o país asiático, segundo South China Morning Post.

    "Se quisermos mostrar de uma vez por todas que a UE não é apenas um supermercado, mas tem princípios [...] devemos chegar a alguma ação concreta, e isso significa que temos de rejeitar o acordo de investimento", disse Emmanuel Maurel, membro do Parlamento Europeu.

    No início do debate, o chefe da diplomacia da UE, Josep Borrell, afirmou que está em "plena solidariedade" com os deputados europeus que estão sob sanções, mas destacou a necessidade de interagir com a China em várias frentes.

    A maioria dos partidos no Parlamento Europeu anunciou oficialmente que não apoiará o acordo de investimento enquanto as sanções se mantiverem.

    O presidente da Comissão do Comércio Internacional do Parlamento, Bernd Lange, disse que está "perfeitamente claro" que o CAI permaneceria "congelado por muito tempo".

    A China e a UE fecharam o acordo de investimento no final de dezembro. O CAI exige a ratificação pelo Parlamento Europeu, um processo que deverá ser iniciado em 2022. O mesmo também precisa ser ratificado pelo Conselho da União Europeia, formado pelos chefes de todos os 27 Estados-membros da comunidade.

    Em 22 de março, EUA, União Europeia, Reino Unido e Canadá impuseram sanções contra alguns funcionários chineses devido à situação na província de Xinjiang, acusando o país de violações dos direitos humanos de uigures. Em resposta, a China impôs sanções contra dez funcionários da UE, cinco membros do Parlamento do Reino Unido, um acadêmico, um advogado e quatro entidades britânicas, que serão proibidas de fazerem negócios com o país asiático.

    Mais:

    UE culpa China por colocar em risco paz e estabilidade no mar do Sul da China
    UE fecha grande acordo climático antes da Cúpula do Clima de Biden
    China vai punir empresas locais que compartilhem dados sem permissão com outros países
    China intensifica monitoramento de estrangeiros em campanha antiespionagem
    Tags:
    União Europeia, China, acordo, Pequim, sanções, Parlamento Europeu
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar