13:58 01 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    17553
    Nos siga no

    No sábado (24), marcado pelo 106º aniversário do massacre de 1,5 milhão de armênios, o presidente dos EUA, Joe Biden, reconheceu oficialmente o genocídio do povo armênio, o que gerou reações negativas da Turquia.

    Na segunda-feira (26), um grupo de manifestantes turcos se reuniu em frente ao Consulado dos EUA em Istambul para protestar contra a decisão de Biden de chamar as deportações em massa e assassinatos de armênios no Império Otomano de "genocídio", escreveu a agência AP.

    Várias dezenas de manifestantes seguraram cartazes e gritaram slogans "o genocídio é uma mentira, é um plano americano".

    Além disso, manifestantes exigiram pôr fim ao uso da base aérea de Incirlik pelos militares dos EUA, gritando: "Soldados americanos, saiam da Turquia!"

    Autoridades turcas condenaram fortemente a decisão do governo dos EUA, com o líder da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, alertando que as recentes declarações do presidente norte-americano terão um "impacto destrutivo" nas relações entre os países, dificultando os laços bilaterais.

    • Manifestações antiamericanas perto da base aérea de Incirlik no sul da Turquia
      Manifestações antiamericanas perto da base aérea de Incirlik no sul da Turquia
      © Sputnik / Sertac Kayar
    • Manifestações antiamericanas perto da base aérea de Incirlik no sul da Turquia
      Manifestações antiamericanas perto da base aérea de Incirlik no sul da Turquia
      © Sputnik / Sertac Kayar
    • Manifestações antiamericanas perto da base aérea de Incirlik no sul da Turquia
      Manifestações antiamericanas perto da base aérea de Incirlik no sul da Turquia
      © Sputnik / Sertac Kayar
    • Manifestações antiamericanas perto da base aérea de Incirlik no sul da Turquia
      Manifestações antiamericanas perto da base aérea de Incirlik no sul da Turquia
      © Sputnik / Sertac Kayar
    1 / 4
    © Sputnik / Sertac Kayar
    Manifestações antiamericanas perto da base aérea de Incirlik no sul da Turquia

    Em entrevista à agência Reuters, Ibrahim Kalin, porta-voz e conselheiro de Erdogan advertiu que "nos próximos dias e meses haverá uma reação de diferentes graus, tipos e formas".

    O porta-voz não especificou se entre possíveis medidas Ancara restringiria o acesso dos EUA à base aérea de Incirlik, localizada no sul turco e que tem sido utilizada para apoiar a coalizão internacional contra o Daesh (organização proibida na Rússia e em vários outros países) na Síria e no Iraque.

    Deputados turcos pedem ativação dos sistemas S-400

    Devlet Bahceli, presidente do Partido de Ação Nacionalista (MHP, na sigla em inglês) da Turquia apelou a pôr em alerta os sistemas de defesa antiaérea russos S-400 em resposta ao reconhecimento pelo presidente dos EUA do genocídio de armênios no Império Otomano.

    "De acordo com o Artigo 11 da Declaração Universal dos Direitos Humanos, Biden cometeu um crime de incitação ao ódio. Nossa primeira tarefa em resposta deve ser ativar os S-400 e reclamar o reembolso pelos F-35", declarou Bahceli, perante partidários.

    O MHP, que tem aliança com o governante Partido da Justiça e do Desenvolvimento (AKP), é representado no Parlamento por 49 deputados.

    Segundo Bahceli, as relações entre Ancara e Washington "estão em uma encruzilhada histórica".

    Mais:

    EUA reduziram quantidade de bombas termonucleares na Europa, sugere relatório
    Irã não conseguirá obter armas nucleares e realizar genocídio em Israel, diz Netanyahu
    EUA suspendem serviços diplomáticos na Turquia temendo reações a reconhecimento do genocídio armênio
    Tags:
    EUA, Turquia, base aérea, genocídio armênio, Joe Biden, Recep Tayyip Erdogan
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar