23:18 24 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    Mundo enfrenta pandemia no fim de abril de 2021 (77)
    0 0 0
    Nos siga no

    A Comissão Europeia afirmou nesta sexta-feira (23) que está prestes a fechar com a Pfizer/BioNTech o maior acordo do mundo para o fornecimento de vacinas contra a COVID-19, que prevê a entrega de 1,8 bilhão de doses nos próximos anos.

    Conforme declarou a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, em entrevista coletiva durante uma visita à fábrica de produção de vacinas da Pfizer em Puurs, na Bélgica, os imunizantes deverão ser entregues ao bloco no período entre 2021 e 2023, e serão suficientes para inocular toda a população da União Europeia (UE), cerca de 450 milhões de pessoas, por dois anos.   

    "As vacinas de mRNA serão centrais para o plano de preparação da UE para enfrentar a COVID-19 e outros vírus. Estamos trabalhando com a BioNTech/Pfizer em um novo contrato, que prevê a entrega de 1,8 bilhão de doses para o período entre 2021 e 2023. Vamos concluir [o acordo] nos próximos dias. Isso garantirá as doses necessárias para dar vacinas de reforço e aumentar nossa imunidade contra o vírus", disse a presidente da Comissão Europeia.

    Estou feliz em visitar as instalações da Pfizer em Puurs. Graças a fornecedores fortes e confiáveis como a Pfizer e a BioNTech, a vacinação na Europa está acelerando. Estou confiante de que teremos doses suficientes para vacinar 70% da população adulta da UE já em julho.

    Este é o terceiro contrato para o fornecimento de vacinas contra a COVID-19 negociado pelo bloco e as duas farmacêuticas, que já acordaram a aquisição de 600 milhões de doses para este ano em contratos anteriores. A União Europeia, por sua vez, prevê vacinar pelo menos 70% de sua população adulta até o fim do verão europeu.

    "Já ultrapassamos 123 milhões de vacinações e, com isso, a União Europeia está no top 3 em termos de vacinações contra a COVID-19 em nível mundial [...] Ou seja, a campanha de vacinação da UE está no rumo. Sim, tivemos dificuldades no início, atrasos e gargalos de produção, mas fomos capazes de enfrentá-los devido ao nosso amplo portfólio de vacinas e, também, graças a fornecedores fortes e confiáveis como a BioNTech/Pfizer", acrescentou von der Leyen.

    As instalações de Puurs foram as primeiras a produzir vacinas de mRNA em larga escala na União Europeia. Agora, somos líderes no mundo nessa tecnologia. Estamos negociando um novo contrato para garantir 1,8 bilhão de doses para [o período] de 2021 a 2023. Para injeções de reforço e proteção contra variantes.

    Com este movimento, Bruxelas dá mais um passo em sua aposta para aumentar seu estoque de vacinas que utilizam a tecnologia de RNA mensageiro (mRNA), afastando, por outro lado, as companhias que usam a tecnologia de vetor viral, como a AstraZeneca e a Johnson & Johnson.

    Além disso, a Comissão Europeia está tentando romper os laços com a AstraZeneca depois que a farmacêutica reduziu suas metas de entrega por problemas de produção. Ontem (22), o órgão executivo da União Europeia ameaçou acionar a companhia na Justiça.

    Tema:
    Mundo enfrenta pandemia no fim de abril de 2021 (77)

    Mais:

    Pfizer/BioNTech anunciam eficácia de 91,3% de sua vacina, sendo menor que declarada há 6 meses
    Estudo sugere que cepa sul-africana pode reduzir eficácia da vacina da Pfizer
    Novo estudo alerta para herpes como efeito colateral raro da vacina da Pfizer contra COVID-19
    Tags:
    Ursula von der Leyen, União Europeia, vacina, COVID-19, Pfizer
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar