23:14 27 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    11331
    Nos siga no

    A expulsão de 18 diplomatas russos da República Tcheca poderia ser uma tentativa de ressuscitar a campanha antirrussa, afirmou em entrevista à Sputnik o especialista em segurança Jan Schneider.

    No sábado (17), o chanceler da República Tcheca, Jan Hamacek, declarou a expulsão de 18 diplomatas russos apontados como presumíveis agentes dos serviços secretos russos. Ao mesmo tempo, Hamacek cancelou visita prevista à Rússia para condução de negociações para obtenção da vacina Sputnik V.

    De acordo com os serviços secretos tchecos, a Diretoria Principal de Inteligência (GRU, na sigla em russo) da Rússia esteve envolvida nas explosões de depósitos de munição de Vrbetice que ocorreu em 2014.

    "Não posso descartar que existem forças no poder [tcheco] que consideram esta decisão racional de Hamacek [de viajar a Moscou] muito perigosa, porque poderia ter sido bem-sucedida", comentou Schneider, ex-diretor do Conselho de Inteligência do governo tcheco.

    Em sua opinião, as decisões de Praga são uma tentativa de matar dois coelhos com uma cajadada só: desvalorizar a produtora da Sputnik V e o melhor candidato para construção de uma unidade de geração de energia na usina nuclear Dukovany.

    Para este propósito, é ressuscitada a campanha antirrussa similar à do caso Skripal, e, "quem sabe, talvez se lembrem do abate do Boeing da Malásia [MH17, no leste da Ucrânia]", ponderou.

    Especialista em segurança explicou que estes dois casos têm uma coisa em comum ao atual: nenhum deles foi devidamente investigado.

    "As sanções foram introduzidas em violação de todos os princípios básicos do mundo civilizado, especialmente o princípio da presunção de inocência", ressaltou Schneider.

    Além disso, o especialista questionou a investigação das explosões nos depósitos de munições de Vrbetice em 2014. A parte tcheca culpa dois agentes de inteligência russos que supostamente visitaram os depósitos alguns dias antes da primeira explosão.

    "Se alguém esteve em algum lugar, deve ter recebido permissão de entrar com um propósito. Isso deveria ser registrado [de alguma forma]. A entrada real de alguém em um edifício e a subsequente explosão do mesmo são duas coisas que devem estar ligadas provavelmente para que desapareça qualquer dúvida razoável", acentuou.

    "Eu considero a ideia de verificação de dados [que aparentemente durou sete anos] uma lenda para esconder a verdadeira origem da informação", acrescentou.

    Schneider relembrou que houve duas explosões em Vrbetice, e se perguntou se a segunda também foi uma operação dos serviços secretos russos.

    "Os serviços russos também estão por trás da segunda explosão? Ou talvez alguém está guardando estas informações para um momento conveniente?", indagou.

    Segundo o analista, não se trata de uma investigação credível, mas de uma investigação manipulada que acaba sendo desvalorizada por ter sido produzida em um momento tão propício.

    Além do mais, Schneider assegura que os beneficiários das sanções impostas contra a Rússia serão os EUA.

    Mais:

    Retaliação: Rússia expulsa 20 diplomatas da República Tcheca e dá prazo para saírem do país
    Rússia decide expulsar cônsul ucraniano após detê-lo em flagrante
    Esta onda é desencadeada pelos EUA, diz MRE russo sobre expulsão de seus diplomatas de vários países
    Tags:
    EUA, República Tcheca, tensão diplomática, serviços secretos, Rússia, diplomatas
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar