17:22 26 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    Coronavírus no mundo no início de abril de 2021 (58)
    222
    Nos siga no

    Devido a efeitos colaterais graves serem relatados com o imunizante da AstraZeneca, governos analisam possibilidade da segunda dose ser aplicada com vacinas diferentes.

    Após vários programas de vacinação com o imunizante da AstraZeneca serem interrompidos por casos de efeitos colaterais graves pós-inoculação, países europeus estão considerando misturar vacinas contra COVID-19 para cidadãos que receberam a primeira dose da injeção, que agora sob novas regras, não está mais elegível, segundo a Reuters.

    Alguns especialistas dizem que todas as vacinas têm como alvo a mesma proteína "pico" externa do vírus, e que independente do imunizante, por esse motivo, elas poderiam trabalhar juntas para treinar o corpo a lutar contra a infecção, porém, ainda não há evidências de que será tão eficaz.

    A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) não fez comentários imediatos quando questionada sobre a mistura e combinação de vacinas em seu briefing diário nesta quarta-feira (7), segundo a mídia.

    O Reino Unido disse no final do ano passado que permitiria que as pessoas tomassem diferentes vacinas contra a COVID-19 em raras ocasiões, mas ainda não há relatos de casos desse gênero. Na Noruega, as autoridades estão aguardando os resultados de um teste britânico lançado em fevereiro para explorar a mistura de doses das vacinas Pfizer e AstraZeneca e ver a possibilidade de combinação, segundo a mídia.

    "O resultado é ou você recebe uma vacina, a vacina AstraZeneca [...] ou recebe uma vacina de reforço com outros tipos de vacinas", disse Sara Viksmoen Watle, médica sênior do Instituto Norueguês de Saúde Pública, à Reuters.

    Na França, a Alta Autoridade de Saúde (HAS, na sigla em francês), também está contemplando a implantação de uma vacina de RNA mensageiro produzida pela Pfizer-BioNTech ou Moderna como opção para ser a segunda dose da AstraZeneca, de acordo com a mídia.

    Embora muitos países tenham voltado a usar o imunizante depois que a EMA relatou que o medicamento era seguro e os casos de efeitos colaterais serem considerados exceções, alguns países impuseram restrições de idade, o que deixou autoridades sem saberem o que fazer com a aplicação da segunda dose. Porém, ontem (6), um membro da EMA confirmou suspeitas sobre possíveis efeitos colaterais graves e raros ligados à administração da vacina Oxford/AstraZeneca.

    Hoje, essa questão, é um dos principais desafios para os governos na luta para controlar novos aumentos de infecções, já que diversos países adquiriram o imunizante da AstraZeneca.

    Tema:
    Coronavírus no mundo no início de abril de 2021 (58)

    Mais:

    Um em cada 3 pacientes com COVID-19 tem desordens neurológicas ou mentais, revela estudo
    Brasil bate novo recorde com 4.195 mortes por COVID-19 em 24 horas
    Anthony Fauci: EUA vivem momento crítico e estão à beira de enfrentar 4ª onda da COVID-19
    Tags:
    vacina, Uniao Europeia, novo coronavírus, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar