06:20 24 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    473
    Nos siga no

    O governo alemão aprovou nesta quarta-feira (24) um projeto de lei que visa facilitar a obtenção da cidadania alemã para descendentes de vítimas do nazismo que tiveram que emigrar do país.

    Descrito por Berlim como um passo simbólico, a medida ajuda a fechar brechas na legislação que levaram os descendentes de muitas vítimas a terem seu pedido de cidadania rejeitado.

    O projeto, que ainda não foi aprovado pelo Parlamento, formaliza o objetivo de decretos publicados em 2019 que buscavam reverter a rejeição dos pedidos de cidadania alemã por muitos descendentes de vítimas.

    "Não se trata apenas de colocar as coisas em ordem, mas também de pedir desculpas por uma profunda vergonha", afirmou em comunicado o ministro do Interior, Horst Seehofer.

    "É uma grande sorte para nosso país se as pessoas quiserem adquirir a cidadania alemã, apesar de tudo que tiramos de seus antepassados", acrescentou, segundo informações da AFP.

    Os requisitos solicitados serão reduzidos "ao mínimo": é necessário ter "conhecimentos básicos de alemão" e também da "ordem jurídica e social na Alemanha", de acordo com o Ministério do Interior.

    Diferente dos procedimentos habituais de solicitação de cidadania, esses candidatos precisarão demonstrar que possuem recursos financeiros suficientes para se manterem na Alemanha.

    Entrada principal do antigo campo de Auschwitz-Birkenau
    © Sputnik / Valeriy Melnikov
    Entrada principal do antigo campo de Auschwitz-Birkenau

    Mais:

    Aliado de Merkel é eleito presidente da CDU e desponta como futuro chanceler
    Merkel diz que cooperação com mundo em desenvolvimento deve continuar e crescer após pandemia
    Merkel: líderes da UE concordam em introduzir certificados de vacinação
    EUA alegam razões de segurança para limitar vistos de imigração para 6 países
    Tags:
    emigrantes, emigração, imigrantes, imigração, Cidadania, neonazismo, nazismo, Alemanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar