20:11 26 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    Pandemia de COVID-19 no mundo em meados de março de 2021 (83)
    290
    Nos siga no

    A análise foi divulgada pela revista Nature, uma das mais reconhecidas no mundo, e contou com uma amostra com mais de dois milhões de pessoas contaminadas com a COVID-19.

    Uma pesquisa publicada pela revista científica Nature, nesta segunda-feira (15), sugere que pacientes infectados com a cepa britânica do coronavírus, a B.1.1.7, possuem, em média, um risco de morrer 61% maior do que aqueles que contraíram outras variantes.

    De acordo com a margem de erro do estudo, o risco de morte pode variar de 42% a 82%. Esta variante já está em circulação no Brasil.

    Para homens de 70 a 84 anos infectados com a cepa britânica, por exemplo, o risco de morte sobe de 4,7% para 7,2% em comparação com outras variantes, segundo o levantamento - uma alta de 53%.

    Já para mulheres de 70 a 84 anos, a taxa cresce de 2,9% para 4,4% - ou seja, 52% maior.

    "Nossa análise sugere que a B.1.1.7 não é apenas mais transmissível do que as variantes preexistentes do SARS-CoV-2, mas também pode causar doença mais grave", dizem os pesquisadores, da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres, no Reino Unido.
    Pessoas aproveitam relaxamento do lockdown na Inglaterra para passear nas ruas e comer em restaurantes em Carnaby Street, em Londres.
    © AP Photo / Alberto Pezzali
    Pessoas aproveitam relaxamento do lockdown na Inglaterra para passear nas ruas e comer em restaurantes em Carnaby Street, em Londres.

    Os cientistas afirmaram ainda que, entre grupos de idade mais avançada, as estimativas "refletem um aumento substancial" no risco de morrer.

    Já entre aqueles com menos de 70 anos, o risco de morte continuou abaixo de 1% em todos os grupos com a variante britânica.

    O estudo contou com um banco de dados de 2,2 milhões de resultados positivos de testes de COVID-19 realizados na Inglaterra entre 1º de setembro de 2020 e 14 de fevereiro deste ano.

    A análise foi feita a partir de 17.452 mortes pela doença no país neste período.

    Tema:
    Pandemia de COVID-19 no mundo em meados de março de 2021 (83)

    Mais:

    Número de crianças internadas com COVID-19 cresce 47% em hospitais privados de São Paulo
    Brasil registra 1.127 mortos pela COVID-19 e óbitos chegam a 278.229
    COVID-19: após relatos de efeitos colaterais, Países Baixos interrompem uso da vacina AstraZeneca
    Tags:
    COVID-19, pandemia, novo coronavírus, Reino Unido, Nature, estudo, vírus, pesquisa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar