02:24 01 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    Pandemia de COVID-19 no mundo em meados de março de 2021 (83)
    7322
    Nos siga no

    Marek Krajci, ministro da Saúde da Eslováquia, aceitou oficialmente no país a vacina russa, mas os partidos de direita na coalizão governista a que pertence ameaçaram com o fim do apoio, o que o levou a se demitir.

    Marek Krajci, ministro da Saúde da Eslováquia, foi criticado por aprovar o uso da vacina russa Sputnik V, anunciando sua demissão na sexta-feira (12).

    Krajci explicou que havia cedido à pressão de dois parceiros na coalizão para permitir que o governo continuasse no poder.

    A renúncia de Krajci foi aceita por Zuzana Caputova, presidente do país, que por sua vez nomeou Eduard Heger, ministro das Finanças, como chefe interino da autoridade sanitária.

    O novo candidato para o cargo deve ser apresentado na próxima semana.

    Igor Matovic, primeiro-ministro eslovaco, acordou com a Rússia o fornecimento da vacina Sputnik V sem informar os políticos de direita, que haviam rejeitado a iniciativa com base na falta de autorização da Agência Europeia de Medicamentos (EMA, na sigla em inglês).

    Em 2 de março, um dia após a chegada do primeiro lote de doses ao país, Krajci aprovou o uso da vacina sem esperar pela autorização da EMA, provocando muitas críticas.

    Os líderes de dois partidos de direita da coalizão governista ameaçaram o premiê com o fim da coalizão se Krajci não se demitisse, uma exigência que Matovic foi forçado a aceitar para salvar o governo.

    A Eslováquia passa por uma grave situação epidemiológica. No final de fevereiro, o país europeu registrou a taxa de mortalidade por COVID-19 mais alta do mundo.

    Vacina Sputnik V

    A vacina Sputnik V contra a COVID-19 foi desenvolvida pelo Centro Nacional de Pesquisa de Epidemiologia e Microbiologia Gamaleya, Rússia, com o apoio do Fundo Russo de Investimentos Diretos (RFPI, na sigla em russo), e registrada em 11 de agosto de 2020, a primeira no mundo a fazê-lo.

    Em 2 de fevereiro de 2021, a revista científica britânica The Lancet publicou resultados provisórios da fase III do ensaio clínico da vacina russa, que confirmou sua segurança e uma eficácia de 91,6%.

    Tema:
    Pandemia de COVID-19 no mundo em meados de março de 2021 (83)

    Mais:

    EUA e aliados planejam lançar campanha de desinformação contra vacina russa Sputnik V, diz fonte
    Governador da Bahia pede urgência para aquisição da vacina russa Sputnik V
    UE 'não tem nada a oferecer': Europa perdeu corrida das vacinas contra COVID-19, diz mídia francesa
    Mídia alemã escreve que vacina russa Sputnik V pode se tornar 'hit de exportação'
    Tags:
    COVID-19, Eslováquia, Sputnik V, Zuzana Caputova, Rússia, Agência Europeia de Medicamentos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar