00:31 19 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    4262
    Nos siga no

    Nesta terça-feira (9), a Corte de Apelação de Milão divulgou o teor da condenação do jogador brasileiro Robinho, que foi condenado a nove anos de prisão por violência sexual em grupo na Itália.

    De acordo com a juíza italiana Francesca Vitale, Robinho e "seus cúmplices" manifestaram "um particular desprezo pela vítima, que foi brutalmente humilhada".

    A corte alegou ainda que a jovem vítima da violência estava embriagada "a ponto de ficar inconsciente" e teve relações sexuais quando não era capaz de decidir por si própria ou resistir.

    "O fato é extremamente grave pela modalidade, número de pessoas envolvidas e o particular desprezo manifestado no confronto da vítima, que foi brutalmente humilhada e usada para o próprio prazer pessoal", escreveu a magistrada, segundo o UOL.

    Vitale escreveu ainda que houve uma tentativa de "enganar as investigações" e que Robinho e os outros acusados teriam oferecido "aos investigadores uma versão dos fatos falsa e previamente combinada".

    Atacante Robinho, quando jogava pelo Atlético-MG
    Bruno Cantini / Fotos Públicas
    Atacante Robinho, quando jogava pelo Atlético-MG

    O texto divulgado nesta terça-feira (9) pela Corte de Apelação de Milão se refere à sentença de condenação em segunda instância de Robinho a nove anos de prisão por violência sexual em grupo. O prazo para a publicação do texto se encerraria nesta quarta-feira (10).

    A condenação do jogador brasileiro saiu ainda em 2017, e foi confirmada pela Justiça italiana em dezembro de 2020. Segundo as leis da Itália, Robinho poderia ter sido preso após a condenação já em primeira instância, mas a Justiça italiana ainda não expediu mandado de detenção contra o atleta.

    A partir de agora, a defesa de Robinho deve apresentar recurso na Corte de Cassação, a terceira instância da Justiça italiana. Os advogados do jogador, que já disseram que vão recorrer, têm 45 dias para apresentar o recurso à Justiça.

    Mais:

    Justiça do Trabalho proíbe demissão de funcionários da Ford no Brasil
    Justiça nega recurso da defesa e acusados de matar Marielle Franco vão a júri popular
    Pedido para libertar Navalny é impraticável, diz ministro da Justiça da Rússia
    Após resultado eleitoral, movimento indígena no Equador vai acionar a Justiça para disputar 2º turno
    Contra-ataque? Congresso no Brasil avalia proibir Justiça de afastar parlamentares
    Tags:
    justiça, futebol, Brasil, Milão, Itália, robinho
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar