10:59 11 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    Pandemia de COVID-19 no mundo no início de março de 2021 (94)
    1190
    Nos siga no

    O colunista Luc de Barochez, do jornal francês Le Point, fala em seu artigo sobre o fracasso da Europa na corrida das vacinas contra o coronavírus.

    Em sua publicação, o autor destacou que na "batalha" pelo fornecimento de vacinas ao mercado mundial cada país é responsável por si mesmo, destacando que os europeus pagam um "preço geopolítico" por sua desorganização.

    Entre as consequências da lentidão da Europa, de Barochez nomeou o aumento de mortes pelo vírus, a necessidade de adiar o retorno à vida normal e a separação cada vez maior dos EUA e da China, cujas economias começaram a crescer de novo.

    "Nenhum Estado-membro da União Europeia está entre os fabricantes de vacinas de maior sucesso, que incluem os EUA, China, Índia, Reino Unido e Rússia", afirmou o jornalista.

    O artigo destaca que esses cinco países previram a tempo a situação atual, desenvolveram medicamentos e criaram capacidades de produção que lhes permitirá receber dividendos geopolíticos.

    De Barochez referiu o sucesso da China e da Índia no fornecimento de vacinas: Pequim vendeu 80 milhões de doses para 40 países, Nova Deli vendeu 25 milhões. O autor também fala sobre a vacina russa Sputnik V, fornecida para o Brasil, Argentina, Egito, Hungria, Eslováquia e outros países do mundo.

    Ao mesmo tempo, o autor nota o egoísmo dos países ocidentais. Os Estados Unidos reservaram a maior parte da produção nacional da vacina contra a COVID-19 para seu país e a União Europeia introduziu o controle de exportação.

    "Esse egoísmo tem um preço político. O slogan 'América está de volta', defendido por Joe Biden no cenário internacional, não tem sentido por causa da avareza dos países ricos", escreveu o jornalista.

    Cerca de dez milhões de doses de vacinas foram entregues aos países em desenvolvimento no âmbito do programa da aliança COVAX, embora a cooperação global nesta área permitiria que a economia mundial se recuperasse mais rápido, disse o jornalista.

    "A União Europeia não tem nada a oferecer", afirmou de Barochez.

    Ele sublinhou que os europeus simplesmente não conseguiram avaliar corretamente a necessidade de expandir as capacidades de produção. Entre os motivos desta situação o jornalista destacou o excesso de cautela, a incoerência e a burocracia da União Europeia.

    "A Europa também não é igual ao Reino Unido, que já administrou a primeira dose da vacina a mais de 21 milhões de britânicos", continuou o autor.

    O autor do artigo lembrou as declarações de Emmanuel Macron e Angela Merkel sobre a vacina da AstraZeneca. O primeiro disse que o imunizante é supostamente quase ineficaz para pacientes idosos, enquanto a chanceler alemã se considerou "velha demais" para receber essa vacina. Essas declarações aumentaram a desconfiança da população em relação às vacinas, sugeriu o jornalista.

    "Infelizmente, o fracasso europeu confirma a razão de todos aqueles que acreditam que, enquanto afirma ser um protagonista geopolítico, a Europa continua acreditando em um sonho impossível", concluiu o jornalista.

    Tema:
    Pandemia de COVID-19 no mundo no início de março de 2021 (94)

    Mais:

    Itália: hospitais voltam a ficar saturados por variante britânica da COVID-19
    COVID-19: China lança certificados de vacinação para seus cidadãos para viagens internacionais
    Rússia rechaça acusações de campanha contra vacinas anti-COVID-19 de outros países
    Após acordo, 10 milhões de doses da Sputnik V serão produzidas na Itália neste ano
    Tags:
    novo coronavírus, União Europeia, Europa, Estados Unidos, Sputnik V, COVID-19, vacina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar