03:55 11 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    Pandemia de COVID-19 no mundo no início de março de 2021 (94)
    164
    Nos siga no

    A União Europeia (UE) continuará impedindo que vacinas contra a COVID-19 deixem o bloco até que os fabricantes dos imunizantes cumpram suas obrigações contratuais com a Europa, afirmou nesta sexta-feira (5) o chanceler italiano, Luigi Di Maio.

    Na quinta-feira (4), a Itália confirmou o bloqueio do envio de 250 mil doses da vacina contra a COVID-19 da AstraZeneca/Oxford para a Austrália, em meio às preocupações sobre atrasos nas entregas de vacinas ao bloco europeu.

    De acordo com Roma, a Itália agiu em coordenação com Bruxelas, respeitando os novos regulamentos da UE que permitem que as exportações sejam interrompidas caso um fabricante de vacinas não cumpra suas obrigações com o bloco.

    "As empresas farmacêuticas estão atrasando os fornecimentos que garantiram à UE. Os atrasos são inaceitáveis [​​...]. Enquanto houver tais atrasos, é certo que as nações da UE bloqueiem os fornecimentos a países que não são vulneráveis", disse Di Maio durante uma coletiva de imprensa conjunta com o chanceler francês, Jean-Yves Le Drian, em Roma.
    Funcionários do Instituto Serum, na Índia, manipulam vacinas contra a COVID-19 desenvolvida pela Universidade de Oxford, em parceria com a farmacêutica AstraZeneca.
    © AP Photo / Rafiq Maqbool
    Funcionários do Instituto Serum, na Índia, manipulam vacinas contra a COVID-19 desenvolvida pela Universidade de Oxford, em parceria com a farmacêutica AstraZeneca.

    O ministro italiano reiterou a solidariedade com "todos os países que passam por dificuldades".

    "Mas a Itália e a Europa precisam exigir o cumprimento dos contratos e prazos de entrega das vacinas", argumentou.

    O líder da diplomacia italiana enfatizou que a medida "não foi um ato hostil contra a Austrália", já que Roma "apenas invocou um regulamento europeu em coordenação com as autoridades europeias". O governo australiano já pediu à Comissão Europeia para revisar a decisão.

    Tema:
    Pandemia de COVID-19 no mundo no início de março de 2021 (94)

    Mais:

    Catalunha pressiona UE para adquirir a vacina Sputnik V contra a COVID-19
    Pfizer e BioNTech teriam tentado vender sua vacina a US$ 65 por dose à UE
    Agência reguladora da Itália aprova vacina contra COVID-19 da AstraZeneca
    Tags:
    Luigi Di Maio, Europa, COVID-19, Itália, União Europeia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar