05:01 12 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    8400
    Nos siga no

    O chefe das Forças Armadas da Noruega declarou a necessidade de diminuir tensões em relações com Moscou, destacando a necessidade de conversar.

    O chefe das Forças Armadas da Noruega, Eirik Kristoffersen, discursando na Conferência de Kirkenes, Noruega, afirmou da necessidade de se diminuir as tensões nas relações com Moscou, segundo a mídia local NRK.

    "O mais perigoso que pode acontecer com a Noruega, OTAN e todo o mundo é um conflito aberto com a Rússia. Felizmente, é pouco provável", disse Kristoffersen, citado pela mídia.

    As relações entre os dois países pioraram nos últimos anos, segundo Kristoffersen. O chefe das Forças Armadas também destacou a necessidade de reforço do diálogo entre Moscou e Oslo.

    "O diálogo nem sempre leva a alguma coisa. Então devemos ter sempre pronta uma defesa forte. Mas de qualquer modo as conversações podem nos ajudar a encontrar algumas soluções", disse Kristoffersen.

    A Rússia destacou por várias vezes o aumento da colaboração entre a Noruega e os EUA. Em particular, a representante oficial do Ministério das Relações Exteriores russo, Maria Zakharova, declarou que Moscou considera a intenção de Oslo de implantar bombardeiros estratégicos dos EUA em sua base aérea próximo de Trondheim como um novo passo para aumentar a atividade militar na região.

    Além disso, em janeiro o chanceler russo Sergei Lavrov lembrou as consequências negativas do avanço da infraestrutura militar da OTAN para mais perto da fronteira russa.

    Mais:

    Em caso de conflito armado na Europa, Rússia poderia 'cortar OTAN em 2', escreve NI
    Dinamarca investe mais na vigilância do Ártico para conter fortalecimento da Rússia
    'Ex-consultor do parlamento alemão' acusado pela Rússia de espionar para a OTAN
    EUA expressam 'preocupação' ao Egito sobre potencial compra de caças russos
    Tags:
    diálogo, tensões, relações, Exército, Forças Armadas, Rússia, Noruega
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar