05:03 13 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    5131
    Nos siga no

    O Parlamento Europeu votou por maioria nesta quinta-feira (11) para barrar o funcionamento da usina nuclear Astravets, construída na Bielorrússia, citando questões pendentes de segurança.

    O órgão consultivo da União Europeia (UE) adotou uma resolução não vinculativa com 642 votos a 29, além de 21 abstenções, pedindo a Bruxelas que exija a suspensão do lançamento até que a planta seja aprovada em todos os testes de resistência.

    A resolução diz que o Parlamento Europeu "lamenta profundamente o início apressado da atividade comercial da planta em março de 2021 e enfatiza que todas as recomendações de segurança do ENSREG [Grupo Europeu de Reguladores de Segurança Nuclear] devem ser implementadas".

    O documento aprovado também citou a proximidade da usina com as fronteiras externas da UE como um ponto de preocupação. A usina fica a cerca de 48 quilômetros da capital da Lituânia, além de estar próxima de Polônia, Letônia e Estônia.

    Corporação russa de tecnologia nuclear Rosatom
    © Sputnik / Sergei Mamontov
    Corporação russa de tecnologia nuclear Rosatom

    O Parlamento Europeu também argumenta que a instalação se trata de um projeto geopolítico entre a Rússia e a Bielorrússia que configura uma "fonte de possível ameaça" para a UE em termos de segurança, saúde e proteção ambiental.

    A planta nuclear foi ativada em novembro de 2020 e foi construída pela estatal nuclear russa Rosatom em estrita conformidade com as normas internacionais. Um segundo reator nuclear deverá ser ativado no país no ano que vem.

    Mais:

    Rosatom discute com Brasil projeto de usina nuclear para extração de hidrocarbonetos em alto mar
    Governo interino boliviano diz que construção de usina nuclear em parceria com Rússia continua de pé
    Presidente da Bolívia anuncia reativação de projeto de usina nuclear em parceria com Rússia
    Tags:
    União Europeia, Rússia, Rosatom, Parlamento Europeu, Bielorrússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar