02:10 07 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    271
    Nos siga no

    Duração da imunidade das vacinas contra a COVID-19 permanece uma incógnita. Cerca de 40 mil noruegueses estão esperando pela segunda dose da vacina e o país nórdico não descarta ter de inocular a população três vezes.

    O Instituto de Saúde Pública (FHI, na sigla em inglês) norueguês não descarta que quem já foi vacinado duas vezes contra o novo coronavírus precise tomar uma nova vacina antes do final do ano para manter a imunidade.

    "Pode ser que tenhamos de dar uma espécie de 'vacina de reforço' depois de alguns meses. Mas não sabemos disso agora. Essa é uma situação para a qual estamos preparados. Os fabricantes de vacinas também estão preparados para isso caso seja necessário", afirmou disse o diretor de controle de infecção da FHI, Geir Bukholm, à emissora nacional NRK.

    Isso se deve à incerteza sobre por quanto tempo a imunidade induzida pela vacina permanece em vigor, disse o FHI. Abordando a questão de se essa incerteza pode levar as pessoas a pularem a vacinação, Bukholm ressaltou que é imperativo tomar a vacina.

    Farmacêutico prepara-se para aplicar vacina contra o coronavírus em drogaria na Inglaterra
    © AP Photo / Peter Byrne
    Farmacêutico prepara-se para aplicar vacina contra o coronavírus em drogaria na Inglaterra
    "Acreditamos que você está imune por um tempo. [Mas] há muito sobre essas vacinas que ainda não sabemos. E só teremos esse tipo de conhecimento à medida que as pessoas tomarem a vacina", explicou Bukholm.

    A fabricante de medicamentos Moderna disse anteriormente que sua vacina permanece em vigor por cerca de um ano. Já o diretor do Centro Nacional de Pesquisa de Epidemiologia e Microbiologia Gamaleya da Rússia, Aleksandr Gintsburg, garante que uma vacinação combinada da Sputnik V com a AstraZeneca vai gerar imunidade por dois anos.

    Ainda assim, pode ocorrer de uma pessoa não atingir a imunidade total mesmo após a vacinação. Também é possível que algumas pessoas atinjam apenas um certo grau de imunidade, mas ainda possam infectar outras.

    Mortes após vacinação

    Na semana passada, a Agência Norueguesa de Medicamentos comunicou que 23 idosos de mais de 80 anos morreram após serem inoculados com a vacina das farmacêuticas Pfizer e BioNTech contra a COVID-19.

    Membro de equipe médica recebe vacina da Pfizer/BioNTech durante vacinação anti-coronavírus em Bergamo, Itália, 5 de janeiro de 2021
    © REUTERS / Ufficio stampa ASST Papa Giovanni XXIII / Handout
    Membro de equipe médica recebe vacina da Pfizer/BioNTech durante vacinação anti-coronavírus em Bergamo, Itália, 5 de janeiro de 2021

    Todos os 23 casos fatais foram registrados em conexão com a vacina, sendo que 13 já foram estudados. A vacinação contra o SARS-CoV-2 na Noruega com o imunizante das farmacêuticas referidas começou em 27 de dezembro de 2020.

    Os primeiros vacinados foram idosos de um asilo na capital Oslo. Ao total, mais de 40 mil pessoas já foram vacinadas no país até o momento.

    Mais:

    Enfermeira de São Paulo é a 1ª vacinada contra a COVID-19 no Brasil
    Brasil tem 518 mortes em 24h e chega a quase 210 mil óbitos por COVID-19
    COVID-19: proibição de voos para Reino Unido irrita governo português e afeta brasileiros
    EUA registram quase 200 mil novos casos de COVID-19 em 24h
    Tags:
    Noruega, novo coronavírus, COVID-19, vacina, imunização, imunidade
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar