08:13 01 Março 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    2270
    Nos siga no

    Não obstante a posse em breve do democrata Joe Biden nos EUA, o bloco europeu está decidido a enfrentar a supremacia financeira de Washington, escreve o Financial Times.

    Bruxelas pretende acabar com a dependência dos mercados europeus em relação à moeda dos EUA, de acordo com um documento da Comissão Europeia citado no sábado (16) pelo jornal Financial Times.

    O documento nota a vulnerabilidade da União Europeia (UE) em relação a sanções e riscos financeiros dos EUA. O projeto poderia ser aprovado na terça-feira (19), mesmo podendo estar sujeito a mudanças, um dia antes de o democrata Joe Biden tomar posse como presidente norte-americano.

    O texto refere as dificuldades enfrentadas pela UE depois que o presidente Donald Trump restabeleceu sanções contra o Irã. "A União Europeia precisa ser protegida das consequências do uso extraterritorial ilegal" de tais medidas, apela.

    "Os anos [da presidência] de Trump realçaram nossas vulnerabilidades, e precisamos eliminá-las mesmo que ele parta. Este é o lugar da UE no mundo: ter possibilidade de se tornar uma potência financeira e econômica correspondente às nossas dimensões".

    Bruxelas planeja desenvolver medidas para "proteger os operadores da UE no caso de um terceiro país obrigar as infraestruturas financeiras da UE a cumprir suas sanções adotadas unilateralmente", bem como promover o euro nos mercados financeiros para proteger e fortalecer sua economia, avisando que "os mercados financeiros globais são muito dependentes do dólar americano para amortecer as tensões financeiras e os riscos de estabilidade".

    Em maio de 2018, os EUA se retiraram do Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA, na sigla em inglês) sobre o programa nuclear iraniano, e impuseram mais sanções contra Teerã.

    A UE, por sua vez, adotou o Instrumento de Apoio a Intercâmbios Comerciais (INSTEX, na sigla em inglês) em 2019 para contornar as sanções dos EUA e continuar o comércio com o Irã. A primeira transação entre a Europa e o Irã ocorreu em 31 de março de 2020, quando a Alemanha forneceu suprimentos médicos a Teerã.

    Mais:

    Auf Wiedersehen, Trump: maioria dos alemães aprova saída das tropas dos EUA do país, diz pesquisa
    Merkel: UE deve reconsiderar política de defesa, pois assistência dos EUA não é mais auto-evidente
    Novo rumo nos EUA: dólar pode perder terreno se Biden ganhar
    Dólar perde liderança mundial pela 1ª vez desde 2013
    Gigantes da tecnologia terão que abrir suas 'caixas-pretas' na UE ou enfrentar multas bilionárias
    EUA multam banco francês em US$ 8,5 milhões por contornar suas sanções contra Síria
    Tags:
    Comissão Europeia, Joe Biden, Donald Trump, JCPOA, Plano de Ação Conjunto Global, Instrumento de Apoio ao Comércio Exterior (INSTEX), União Europeia, Europa, EUA, Financial Times, dólar, Euro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar