01:02 17 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    Coronavírus no mundo em meados de dezembro (87)
    0 40
    Nos siga no

    Um britânico, a quem os médicos disseram ter "quase zero" possibilidade de sobreviver após ser infectado pelo SARS-CoV-2, contou nesta quinta-feira (17) ao programa da BBC Radio 4, como a doença o "virou de cabeça para baixo".

    Mal Martin, de 58 anos de idade, passou 61 dias conectado a um respirador artificial, depois de ter sido internado em março passado em um hospital de Bridgend (Reino Unido), informa a BBC Radio 4. O homem, disse que não recorda sobre as duas primeiras semanas, descrevendo-as como "uma folha branca".

    COVID-19: sobrevivente "milagroso" Mal Martin temia que sua vida acabasse

    Os médicos descreveram sua recuperação como um "milagre". Martin, que é diabético, afirmou que começou a perder permanentemente a vista do olho direito e que lhe amputaram o polegar esquerdo, um dedo indicador e também vão lhe cortar o polegar direito. Além disso, agora tem graves problemas com os pulmões e os rins.

    "Meus rins só funcionam a 12% neste momento e é realmente horrível. Eu preciso fazer diálise para o resto da minha vida, ou um transplante de rim", detalhou. "Não posso caminhar muito, tenho muitas tonturas", adicionou.

    "Basicamente, meu mundo virou de cabeça para baixo, mas ao mesmo tempo, estou ficando mais forte", revelou Martin, que está se recuperando gradualmente.

    "É uma doença horrível, horrível, horrível de contrair e creio que, se pudesse ter algum desejo, seria que tudo isso desaparecesse", concluiu o homem.

    Tema:
    Coronavírus no mundo em meados de dezembro (87)

    Mais:

    Ibope e Datafolha apontam vitória de Paes e Covas; em Recife e Porto Alegre cenário está indefinido
    Jornal chinês volta a sugerir que SARS-CoV-2 chegou a Wuhan em comida congelada de outros países
    Cientistas comprovam que SARS-CoV-2 'sabe' penetrar o cérebro: quais seriam as consequências?
    Tags:
    Reino Unido, novo coronavírus, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar