14:44 17 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    10278
    Nos siga no

    Após a derrota da Alemanha na Segunda Guerra Mundial, o Reino Unido confiscou documentos de Hitler. No entanto, não os compartilhou com a URSS por medo de que Moscou se tornasse ciente de seus contatos com os nazistas, de acordo com novos documentos divulgados.

    Por ocasião do seu 100º aniversário, o Serviço de Inteligência Estrangeira da Rússia (SVR, na sigla em russo) divulgou documentos secretos. O livro com a compilação desses arquivos é denominado "Serviço de Inteligência Estrangeira da Federação Russa. 100 anos. Documentos e Testemunhos" e foi apresentado ao público nesta quinta-feira (17).

    Muitos desses documentos que foram previamente carimbados com confidenciais lançam luz sobre aspectos até então desconhecidos da Segunda Guerra Mundial e as relações subsequentes entre os aliados.

    Conversas nos bastidores

    Entre os arquivos publicados pelo SVR está um telegrama criptografado que foi enviado a Moscou em 5 de junho de 1945 por um agente soviético chamado Bob do quartel-general da inteligência em Londres.

    "No território da Alemanha […] os arquivos pessoais de Hitler foram apreendidos pelos serviços dos EUA […]. [E] caíram nas mãos dos britânicos. As autoridades britânicas pretendem mostrá-los às autoridades norte-americanas, mas não aos soviéticos", lê-se no telegrama, que segue:

    "Os britânicos temem que, se mostrarem os arquivos pessoais de Hitler às autoridades soviéticas, estas ficarão sabendo de seu contato com Hitler. Eles também esperam encontrar nos arquivos de Hitler materiais sobre o Tratado de Não-Agressão Soviético-Alemão."

    Presidente, Franklin D. Roosevelt, à esquerda com o Primeiro-Ministro, Winston Churchill
    © AP Photo / anonymlous
    Presidente, Franklin D. Roosevelt, à esquerda com o Primeiro-Ministro, Winston Churchill

     

    Não é a única evidência das conversas que o governo britânico manteve nos bastidores com os nazistas. Outros documentos revelados pelo SVR já tinham comprovado isso.

    Em 27 de maio de 1942, Boris Rybkin, agente russo na Suécia, enviou uma mensagem de Estocolmo a Moscou. No texto ele se referia às condições que o vice-chanceler do Terceiro Reich, Hermann Goring, havia estabelecido para as negociações de paz com o Reino Unido.

    "Goring supostamente estabeleceu as seguintes condições: a Alemanha conclui uma aliança sagrada com a Inglaterra e os EUA contra o 'perigo amarelo' [termo racista para se referir à ameaça dos povos orientais ao Ocidente]. A França como uma grande potência deixará de existir. A Inglaterra mantém todas as suas possessões coloniais, a Alemanha ganha o controle da Europa com a parte europeia da URSS. O Império Britânico será garantido pela Alemanha e pelos EUA", afirmou Rybkin.

    Durante os julgamentos de Nuremberg, Goring foi julgado por cometer crimes contra a humanidade. O nazista foi considerado culpado e condenado à morte por enforcamento, mas na véspera de sua execução cometeu suicídio.

    Mais:

    Navio de guerra nazista afundado na Segunda Guerra Mundial é encontrado na Noruega (FOTOS)
    Assassinato de Fakhrizadeh é 'equivalente a uma declaração de guerra', segundo The Guardian
    Lápide de membro importante do Partido Nazista é encontrada na costa argentina (VÍDEO,FOTOS)
    Mergulhadores poloneses teriam descoberto tesouros saqueados por nazistas da Câmara de Âmbar (FOTOS)
    Tags:
    Alemanha, Reino Unido, URSS, Nazismo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar