14:28 22 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    7233
    Nos siga no

    O porta-aviões britânico HMS Prince of Wales, que custou cerca de £ 3,1 bilhões (R$ 21 bilhões), foi enviado para passar seis meses sendo consertado devido a vazamento de água na seção de máquinas.

    O acidente com o porta-aviões HMS Prince of Wales, navio da Marinha Real britânica, ocorreu devido à ruptura de tubos no sistema de contenção de incêndios, ocasionando a entrada de água do mar na seção de máquinas e, consequentemente, inundando equipamento elétrico por mais de 24 horas, de acordo com tabloide britânico The Sun.

    Como resultado, o navio ficou impossibilitado de participar de treinamentos conjuntos com EUA e ficará no porto de Portsmouth até segundo trimestre do ano que vem. Estavam previstos treinos com caças norte-americanos F-35, mas, devido ao vazamento de água, as manobras foram canceladas.

    "Levará meses para reparar os danos. Vai custar milhões", afirmou fonte britânica ao tabloide, acrescentando que preparos para treinamentos conjuntos com Estados Unidos "foram planejados durante anos".

    Em maio, surgiu um vídeo de água entrando através convés nos dormitórios do porta-aviões. A Marinha Real britânica afirmou se tratar de "um pequeno problema" e insistiu que o porta-aviões estaria operacional como programado até 2023.

    O porta-aviões HMS Prince of Wales é um navio da Marinha Real britânica da classe Queen Elizabeth. O navio tem capacidade de transportar de 50 a 70 aeronaves e 1.600 tripulantes.

    Mais:

    China está prestes a completar desenvolvimento de 1º porta-aviões com fabricação totalmente nacional
    Reino Unido enviou tropas para proteger campos de petróleo na Arábia Saudita, diz mídia
    Caças da Força Aérea britânica interceptam aviões russos Tu-142 sobre o mar do Norte (FOTOS)
    Marinha da Índia conduz testes do 1º porta-aviões do país (FOTOS)
    Tags:
    treinamento, inundação, porta-aviões, Marinha Real britânica, Reino Unido
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar