00:46 16 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    0 02
    Nos siga no

    Estudantes dividiram o valor de € 300 (o correspondente a R$ 1.900), oferecidos pelo autor do crime como recompensa pela ajuda para localizar a vítima.

    Mais quatro estudantes foram acusados ​​de envolvimento na morte por decapitação do professor francês Samuel Paty, de 47 anos, no dia 16 de outubro. Os quatro novos suspeitos foram detidos e colocados sob custódia policial na segunda (23) e na terça-feira (24) desta semana.

    Três deles têm entre 13 e 14 anos. Eles foram acusados ​​de indicar quem era Paty ao agressor, Abdullakh Anzorov, um adolescente de 18 anos que nasceu em Moscou e tinha origem chechena. Anzorov foi morto pela polícia após o crime.

    A quarta aluna indiciada, acusada de "denúncia caluniosa", é filha de Brahim Chnina, que lançou uma campanha on-line contra o professor. A campanha denunciava Paty pelo uso de caricaturas sobre o profeta islâmico Maomé durante aulas sobre liberdade de expressão.

    Uma investigação policial sobre o caso revelou que os quatro adolescentes faziam parte de um grupo que dividiu € 300 (o correspondente a R$ 1.900), oferecidos como recompensa por Anzorov para que os alunos ajudassem a localizar o professor.

    ​Assassinato de Samuel Paty: quatro outros alunos indiciados, incluindo três por "cumplicidade" (fonte judicial) #AFP

    No dia 6 de novembro, a polícia já havia identificado três pessoas suspeitas de envolvimento no crime. Outras sete pessoas foram acusadas de conexão criminosa com o ataque, por terem participado da campanha on-line criada por Chnina. Já são, portanto, 14 os envolvidos na morte de Samy – segundo a agência AFP, seis dos acusados são adolescentes, já que dois alunos, de 14 e 15 anos, haviam sido indiciados anteriormente.

    Nos últimos dois meses, a França foi abalada por quatro ataques com tiros e facadas, com três deles sendo identificados como atos de terrorismo islâmico pelo governo francês. Após os ataques, o presidente francês Macron prometeu combater a violência de motivação religiosa no país e defender os valores seculares da União Europeia.

    Mais:

    Homem faz mulher como refém com faca no pescoço em estação de metrô de São Paulo
    FMI pede que comunidade internacional faça mais para enfrentar crise da COVID-19
    Ataque à faca deixa 2 pessoas feridas em Lugano, na Suíça
    Tags:
    Paris, morte, decapitação, França
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar