13:50 02 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    282
    Nos siga no

    Jorge Arreaza, o chanceler da Venezuela, rechaçou a prorrogação das sanções da União Europeia à Venezuela por mais um ano, depois que começaram há três anos.

    O ministro venezuelano das Relações Exteriores, Jorge Arreaza, repudiou na quinta-feira (12) a extensão das sanções da União Europeia, descrevendo tais medidas como fracassadas.

    A União Europeia continua com seu apoio ao bloqueio contra o povo venezuelano, estendendo suas sanções ilegais. Mesmo nestas circunstâncias, eles ainda estão atrás de Donald Trump. É uma política cruel e fracassada, com sinais claros de colonialismo frustrado.

    Nicolás Maduro também censurou na quinta-feira (12) as "sanções ilegais", que diz serem fruto de "uma política cruel e fracassada, com claros sinais de colonialismo frustrado".

    Na quinta-feira (12), a UE anunciou em comunicado sua decisão de prorrogar as sanções contra a Venezuela até 14 de novembro de 2021, se justificando com argumentos de que "ações persistentes que minam a democracia, o Estado de direito e o respeito aos direitos humanos" no país sul-americano.

    As sanções, que começaram em novembro de 2017, incluem um embargo de armas e equipamentos de motim, a proibição de 36 pessoas entrarem na União Europeia e o congelamento de seus bens e contas.

    Mais:

    Lei Antibloqueio: Venezuela pede ajuda à Rússia para contornar sanções econômicas
    Rússia condena sanções a Cuba e Venezuela por impacto negativo no campo humanitário
    Maduro tenta driblar sanções dos EUA convidando empresas da China a investir na Venezuela
    Venezuela classifica como agressão as novas sanções dos EUA contra Maduro
    Tags:
    Jorge Arreaza, Venezuela, União Europeia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar