04:37 26 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    0 04
    Nos siga no

    O ex-presidente do Kosovo, Hashim Thaci, compareceu nesta segunda-feira (9) em audiência na Corte Internacional de Justiça de Haia e se declarou inocente de todas as acusações de crimes de guerra que pesam sobre ele.

    "Meritíssimo, a acusação é totalmente infundada e eu me declaro inocente", disse Thaci perante o juiz, conforme informou a Reuters. Perguntado pelo magistrado que conduziu a audiência se ele tinha entendido as acusações lidas, o ex-presidente kosovar afirmou: "Sim, entendi. Eu as ouvi hoje, li e não concordo com nenhuma delas."

    Thaci, de 52 anos, liderou a luta contra as forças militares da Sérvia entre os anos de 1998 e 1999 como comandante do Exército de Libertação do Kosovo. Ele é acusado de crimes de guerra e crimes contra a humanidade.
    Hashim Thaci, o comandante do Exército de Libertação do Kosovo (ELK), considerado por muitos países, inclusive a Sérvia, como terrorista. Foto de arquivo de 1999.
    © AP Photo / Visar Kryeziu
    Hashim Thaci, o comandante do Exército de Libertação do Kosovo (ELK), considerado por muitos países, inclusive a Sérvia, como terrorista. Foto de arquivo de 1999.

    No dia 5 de novembro, Thaci renunciou à presidência do Kosovo para se apresentar na Corte de Haia e em declaração à imprensa, publicada no Facebook, afirmou:

    "Para defender a integridade do Kosovo e com todo o respeito à comunidade internacional, renuncio hoje [5] ao posto de presidente. Tenho muito orgulho da responsabilidade que me foi confiada. Nestas novas condições, conclamo as forças políticas a serem cautelosas e a não caírem em uma crise institucional."

    Mais:

    Após insucesso da UE, Rússia deve tomar iniciativa sobre questão de Kosovo, segundo especialista
    Líder do Kosovo presta depoimento sobre suspeitas de crimes de guerra
    Presidente do Kosovo renuncia para enfrentar acusações de crimes de guerra em corte internacional
    Tags:
    conflito, guerra, tribunal, Haia, corte, justiça
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar