01:11 24 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    Coronavírus e o mundo no início de novembro (39)
    240
    Nos siga no

    Na Polônia e na República Tcheca há aumentos de internações e endurecimento de medidas e na Ucrânia ministro diz que a situação passa de difícil para catastrófica.

    Três países europeus - Polônia, Ucrânia e República Tcheca - registraram nesta quinta-feira (5) números recordes de casos da COVID-19, informou o site G1.

    Na Polônia, foram confirmados 27.143 novos casos e 367 mortes nas últimas 24 horas. O número quase alcançou o recorde diário estabelecido na quarta-feira (4), quando houve 373 mortes. O governo vai anunciar medidas mais duras para conter a transmissão do vírus se o número de casos ficar entre 29 mil e 30 mil em uma semana.

    A maioria das lojas comerciais, além de teatros, museus, galerias e cinemas vai fechar a partir de sábado (7), segundo a agência de notícias Reuters. As escolas que já não tenham aulas remotas vão passar a adotá-las a partir de segunda-feira (9) e hotéis vão ficar abertos apenas para hóspedes a negócios.

    Na República Tcheca, o Ministério da Saúde atualizou os números nesta quinta-feira (5): 97 mortes além das 123 ocorridas na quarta-feira (4). O país agora tem 378.716 enfermos. Também houve uma revisão de dados de dias anteriores, levando o total de mortes a 4.133.

    As internações nos hospitais tchecos aumentaram 33%, segundo a Reuters, chegando a 8.278 pacientes desde a semana passada.

    O governo endureceu as restrições para combater o vírus em outubro fechando restaurantes, lojas e locais públicos como piscinas, academias de ginástica, cinemas e teatros. As escolas mudaram para o ensino à distância e há um toque de recolher às 21 horas.

    A Ucrânia anunciou no início da tarde que teve 9.850 casos nas últimas 24 horas. O número ultrapassa o recorde, alcançado na quarta-feira, de 9.524 infecções. O país tem 430.467 casos da COVID-19 e 7.924 mortes.

    "A situação rapidamente muda de difícil para catastrófica. Precisamos nos preparar para o inevitável. É impossível passar facilmente a segunda onda", disse Maksim Stepanov, ministro da Saúde ao Parlamento.

    Ele também alertou que os recursos de saúde do país se esgotarão caso o número de casos diários ultrapassasse 20 mil.

    'Explosão'

    A tensão no continente por causa da COVID-19 é reforçada pelo escritório europeu da Organização Mundial da Saúde (OMS). Em entrevista coletiva, o diretor Hans Kluge classificou a situação como uma "explosão" de contágio em apenas alguns dias para mais um milhão de casos" na Europa e um aumento gradual da mortalidade.

    "Não podemos relaxar, vai ser um pouco difícil, temos que ser honestos sobre isso", advertiu.

    A zona europeia da OMS, que tem 53 países incluindo a Rússia, registrou mais de 11,8 milhões de casos e quase 295 mil mortes desde o início da pandemia, de acordo com o gráfico de monitoramento da organização. Nos últimos sete dias, foram relatados quase 1,8 milhão de novos casos e ocorreram 19.500 mortes.

    Ainda assim, Kluge quer preservar ao máximo as escolas e seu argumento é científico.

    "Não há razão para dizer que as escolas são um dos principais vetores de transmissão. Temos que manter as escolas abertas até o fim porque não podemos nos permitir uma geração perdida para a COVID-19", disse.
    Tema:
    Coronavírus e o mundo no início de novembro (39)

    Mais:

    Pompeo e Luis Arce discutem cooperação econômica e COVID-19, diz porta-voz
    Após eleições, EUA registram pela 1ª vez mais de 100 mil novos casos diários da COVID-19
    OMS: risco de pegar COVID-19 em aviões é 'muito baixo'
    Tags:
    República Tcheca, Ucrânia, Polônia, OMS, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar