04:01 26 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    0 01
    Nos siga no

    Um porta-voz da polícia francesa disse que agentes prenderam um homem em seu quarto de hotel depois que ele foi visto caminhando pelo centro de Paris na terça-feira (3) munido com um facão.

    Por volta das 11h30 no horário local (7h30, no horário de Brasília), diversos pedestres denunciaram que havia "um homem armado com um facão nos corredores do metrô da estação Père-Lachaise", segundo o porta-voz.

    Não há registro de nenhuma vítima e o assunto está sob investigação. As informações foram publicadas pela agência Reuters.

    "Até agora, não houve vítimas. A investigação está em andamento", disse o porta-voz.

    Segundo relatos, a rua Chemin-Vert foi fechada ao tráfego pela polícia. Outros policiais assumiram posições no telhado de um prédio a algumas dezenas de metros da estação do metrô.

    A área foi reaberta ao tráfego por volta das 12h30 (8h30, no horário de Brasília).

    A França vem sofrendo uma onda de ataques desde a morte de Samuel Paty, professor que mostrou uma caricatura de Maomé em uma aula sobre liberdade de expressão e foi morto decapitado em um atentado.

    Na última quinta-feira (29), um ataque a faca deixou três mortos e vários feridos na Basílica de Notre-Dame, em Nice.

    Uma das vítimas foi decapitada e o suspeito foi atingido por tiros e morreu.

    Neste sábado (31), um padre ortodoxo foi baleado na cidade de Lyon, no sudoeste da França.

    Mais:

    Brasileira é confirmada entre as vítimas do atentado à basílica de Nice, na França
    Ex-espião do Mossad 'aplaude' França por despertar do 'vírus do politicamente correto'
    Brasileira morta em atentado terrorista em Nice deve ser enterrada na França, diz parente da vítima
    França vai reforçar controle fronteiriço ante ameaça terrorista
    Mesmo com lockdown, França registra recorde de novos casos de COVID-19
    Tags:
    França, terrorismo, ataque terrorista, homem armado, preso, faca, Paris
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar