08:42 28 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    1112
    Nos siga no

    O chanceler austríaco, Sebastian Kurz, usou as redes sociais para condenar um ataque terrorista ocorrido na região central de Viena na noite desta segunda-feira (2).

    Kurz publicou nas redes sociais que o tiroteio foi um "ataque terrorista repulsivo", acrescentando que o Exército protegeria locais na capital para que a polícia pudesse se concentrar em operações anti-terrorismo.

    "Atualmente estamos passando por horas difíceis em nossa República. Gostaria de agradecer a todas as forças de emergência que estão arriscando suas vidas por nossa segurança, especialmente hoje. Nossa polícia tomará medidas decisivas contra os perpetradores deste repulsivo ataque terrorista", escreveu a liderança austríaca.

    Além do chanceler austríaco, o ministro do Interior, Karl Nehammer, apontou que o incidente foi um "óbvio ataque terrorista". A polícia pediu para que os cidadãos de Viena fiquem em suas casas, pois o ataque ainda estaria em andamento.

    Outra autoridade regional que também se manifestou foi o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, que condenou os ataques chamando-os de "covardes" em suas redes sociais.

    A Europa condena fortemente esse ato ​covarde que viola a vida e nossos valores humanos. Meus pensamentos estão com as vítimas e o povo de Viena em meio ao horrível ataque desta noite. Nós estamos com a Áustria, Sebastian Kurz.

    Mais cedo nesta segunda-feira (2), ataques terroristas ocorreram na região central de Viena, próximo a uma sinagoga. Segundo informação da polícia local, os ataques foram realizados em seis locais diferentes deixando pelo menos sete pessoas feridas, incluindo um policial. A polícia matou um dos envolvidos no ataque.

    Mais:

    Áustria proíbe reuniões com mais de 5 pessoas
    Quase metade de moradores de vila na Áustria desenvolveu anticorpos para COVID-19, revela estudo
    Áustria ordena a diplomata russo que deixe o país até 1º de setembro, diz mídia
    Tags:
    Charles Michel, Sebastian Kurz, Viena, Áustria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar