00:08 01 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    0 41
    Nos siga no

    A França já reforçou as medidas destinadas a combater a radicalização em todo o país e vai continuar a luta após o recente assassinato brutal de um professor nos arredores de Paris, afirmou hoje (20) o presidente francês, Emmanuel Macron.

    Na última sexta-feira (16), o professor de história Samuel Paty foi decapitado por um extremista na comuna francesa de Conflans-Sainte-Honorine, no departamento de Yvelines. O autor da atrocidade, um jovem imigrante de origem chechena, foi abatido pela polícia alguns minutos depois em Éragny, no Val-d'Oise.

    Na investigação, foi descoberto que o crime teria sido motivado pelo fato de o professor ter mostrado caricaturas do profeta Maomé durante uma aula na escola onde trabalhava.

    "Intensificamos as medidas para conter a radicalização [...] Já disse após o ato terrorista que pretendemos reforçar ainda mais as medidas nesse sentido. É isso que todos os nossos concidadãos esperam. Portanto, as ações serão intensificadas", disse Macron durante discurso no subúrbio parisiense de Seine-Saint-Denis.

    O presidente francês destacou que, nos últimos dias, as autoridades tomaram medidas concretas contra associações que divulgam ideias radicais.

    As novas medidas para combater o extremismo islâmico incluem também o reforço da segurança nas escolas francesa. Além disso, o ministro do Interior, Gerald Darmanin, exigiu também o fechamento de uma mesquita de Seine-Saint-Denis que postou um vídeo criticando o professor Samuel Paty antes de sua morte.

    Mais:

    Esfaqueador é detido após deixar 4 pessoas feridas perto da antiga sede de Charlie Hebdo, em Paris
    Suspeito de ataque em Paris confessa que desejava atingir jornalistas de Charlie Hebdo
    Promotor francês: 9 pessoas são detidas após ataque ao professor, uma delas tem familiar do Daesh
    Tags:
    decapitação, ataque, Saint-Denis, extremismo, radicalização, Paris, França, Emmanuel Macron
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar