15:42 29 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    4324
    Nos siga no

    Pelo menos seis cidadãos russos e um instituto científico foram submetidos a sanções da União Europeia por envolvimento em suposto envenenamento do opositor russo Aleksei Navalny.

    De acordo com edição desta quinta-feira (15) do Jornal Oficial da União Europeia, o bloco decidiu impor medidas restritivas, tendo como base a "proliferação e a utilização de armas químicas" no contexto do suposto envenenamento de Navalny.

    Entre as supostas provas do envenenamento do opositor, o jornal publicou:

    "Em 2 de setembro de 2020, o Governo da República Federal da Alemanha anunciou que um laboratório especializado das Forças Armadas Federais encontrou provas de que Aleksei Navalny foi vítima de envenenamento por um agente neurotóxico do grupo Novichok. Esse diagnóstico foi posteriormente confirmado por laboratórios na França e na Suécia, como anunciado em 14 de setembro de 2020."

    Ainda segundo o informe, o Conselho Europeu interpretou em suas Conclusões de 1° e 2 de setembro que Navalny foi vítima de "tentativa de assassinato".

    Russos e instituto científico sob sanções

    Entre os submetidos às sanções figuram:

    • Andrei Veniaminovich Yarin, chefe da Direção de Política Interna da Presidência da Rússia;
    • Sergei Vladilenovich Kirienko, primeiro-vice-chefe do Gabinete Executivo da Presidência da Rússia;

    • Sergei Ivanovich Menyailo, representante plenipotenciário do presidente da Rússia no Distrito Federal da Sibéria;
    • Aleksandr Vasilievich Bortnikov, diretor do Serviço Federal de Segurança da Rússia;
    • Pavel Anatolievich Popov, vice-ministro da Defesa da Rússia;
    • Aleksei Yurievich Krivoruchko, vice-ministro da Defesa da Rússia;
    • Instituto Estatal Científico de Química Orgânica e Tecnologia (GosNIIOKhT, na sigla em russo).

    Segundo publicação da Bloomberg, as sanções englobam o congelamento de ativos dos cidadãos e o instituto russos, assim como proibições de entrada na União Europeia.

    O regime de sanções pelo uso de armas químicas foi adotado pela União Europeia ainda em 2018.

    Podem ser enquadradas na lista pessoas ou organizações que, segundo o bloco europeu, têm participação com o desenvolvimento e uso de armas químicas, assim como as que financiam, consultam e cooperam de forma material ou técnica.

    Caso Navalny

    Em 20 de agosto deste ano, o opositor e blogueiro russo Aleksei Navalny se sentiu mal durante voo da cidade siberiana de Tomsk para Moscou.

    Atendido às pressas por um hospital de Omsk, após pouso de emergência, Navalny foi tratado por médicos que descartaram a hipótese de envenenamento.

    Dois dias depois, o opositor foi transferido para um hospital em Berlim, na Alemanha, ao passo que médicos alemães afirmaram que Navalny foi vítima de envenenamento por substância do grupo Novichok.

    No entanto, a hipótese de envenenamento foi descartada por cientistas envolvidos na criação do Novichok. Segundo eles, se Navalny tivesse sido exposto ao agente tóxico ele não teria sobrevivido.

    Mais:

    De ações militares a sanções: Rússia revela como OTAN tenta limitar sua atividade no Ártico
    EUA apreendem sites usados pelo Irã em 'campanha de desinformação global' e impõem novas sanções
    'Envenenando o Pacífico': livro expõe décadas de contaminação de terras e oceano por forças dos EUA
    Tags:
    Rússia, UE, sanções, envenenamento, Aleksei Navalny, Novichok
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar