01:01 22 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    10012
    Nos siga no

    Enquanto manifestantes na Bielorrússia seguem contestando os resultados da eleição presidencial no país, o governo alemão decide não reconhecer vitória de Lukashenko no pleito.

    Desta forma, em declaração feita no Bundestag, o parlamento da Alemanha, a chanceler do país, Angela Merkel, disse:

    "Não reconhecemos a eleição de Lukashenko como presidente" [da Bielorrússia]. Nós o convocamos a começar um diálogo com seu povo sem a intervenção do Oriente ou do Ocidente. Condenamos o que está acontecendo lá diariamente, ou seja, a destruição do processo democrático, a violência contra a oposição."

    Merkel confirmou também que deverá se encontrar com a ex-candidata presidencial e líder oposicionista bielorrussa Svetlana Tikhanovskaya, a qual após a votação de 9 de agosto exigiu a saída do atual presidente.

    A exigência da oposição se deu no contexto de protestos em diferentes cidades do país contra e a favor de Lukashenko.

    No último dia 23, Aleksandr Lukashenko assumiu seu sexto mandato como presidente da Bielorrússia após obter 80,1% dos votos na eleição.

    Angela Merkel (à esquerda) e Aleksandr Lukashenko (à direita) durante encontro em Minsk (foto de arquivo)
    © Sputnik / Viktor Tolochko
    Angela Merkel (à esquerda) e Aleksandr Lukashenko (à direita) durante encontro em Minsk (foto de arquivo)

    A oposição bielorrussa considera que foi Tikhanovskaya quem venceu o pleito, exigindo a marcação de novas eleições. A líder da oposição está refugiada na Lituânia.

    Segundo o presidente, a oposição tem tido apoio de países ocidentais, enquanto a Lituânia, a Letônia e a Estônia proibiram Lukashenko de entrar em seus territórios.

    Mais:

    Moscou e Minsk defendem a normalização da situação na Bielorrússia por meio do diálogo
    Primeiro lote da vacina russa Sputnik V será entregue à Bielorrússia em outubro
    Lukashenko diz que talvez tenha passado muito tempo no cargo de presidente
    Tags:
    Angela Merkel, Aleksandr Lukashenko, Bielorrússia, Alemanha, protestos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar