21:54 19 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    0 232
    Nos siga no

    Pesquisadores analisaram os dados atmosféricos do período da guerra, achando irregularidades nos níveis de frio e chuva coincidentes com as datas das maiores batalhas.

    Uma anomalia climática, que ocorre a cada 100 anos, coincidiu com o período da Primeira Guerra Mundial (1914-1918) e aumentou substancialmente o já elevado número de mortes entre todos os lados do conflito, no qual cerca de 8,5 milhões de soldados perderam suas vidas, sugere um estudo publicado na revista GeoHealth.

    Anomalia de pressão atmosférica sobre a Europa. O local do núcleo de gelo CG (4.450 metros acima do nível do mar) é mostrado como uma estrela. Um mapa de diferenças de pressão média do nível do mar foi calculado para setembro de 1918 a partir da média para o intervalo 1900-1930 no conjunto de dados de reanálise ECMWF ERA-20C através do Climate Reanalyzer™. Um forte sistema de baixa pressão da Islândia influenciou as condições climáticas anormalmente frias e úmidas durante o mês de setembro de 1918
    Anomalia de pressão atmosférica sobre a Europa entre 1900 e 1930

    Segundo os autores da União Geofísica Americana (AGU, na sigla em inglês), o fenômeno responsável pelo excesso de baixas foi um conjunto de chuvas intensas acompanhadas de ventos glaciais. As zonas azuis mais escuras no mapa da Europa representam áreas com maior precipitação relativamente à média de 1900-1930, localizadas frequentemente em zonas de conflito. A estrela indica o glaciar onde as amostras de gelo foram coletadas.

    A guerra foi conduzida principalmente entre trincheiras. Assim, as chuvas teriam enchido esses abrigos, afogando soldados, veículos militares e cavalos, o mesmo acontecendo em crateras de bombas.

    Os cientistas argumentam que o período em que este fenômeno ocorreu com maior intensidade coincidiu ou precedeu imediatamente as batalhas mais mortíferas.

    A precipitação e frio excessivo persistiram até finais de 1919, contribuindo também para a propagação da pandemia da gripe espanhola, responsável por três milhões de mortes na Europa e 100 milhões no mundo inteiro. Os pesquisadores suspeitam que o frio alterou os padrões de migração do pato-real, uma ave que serviu como reservatório natural para espalhar A/H1N1, o vírus responsável pela doença.

    O estudo explica que a anomalia fatal surgiu como resultado de um sistema de baixa pressão que permaneceu na região islandesa por todos aqueles anos, alterando a circulação atmosférica, e que como consequência trouxe umidade do Atlântico e ar frio do Ártico para a Europa.

    Mais:

    Segundo estudo, capacete da 1ª Guerra Mundial protege soldados melhor que atual norte-americano
    Sucessos e desastres: a história dos primeiros submarinos nucleares do mundo
    'Ainda atuais': publicada lista das melhores armas da Primeira Guerra Mundial
    Tags:
    Europa, oceano Atlântico, Atlântico, Ártico, Islândia, Primeira Guerra Mundial, 1ª Guerra Mundial
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar