04:18 20 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    10570
    Nos siga no

    Os signatários europeus do Plano Conjunto de Ação Integral (JCPOA) não aceitarão a política dos Estados Unidos de sancionar o Irã, disse o presidente francês Emmanuel Macron durante seu discurso na 75ª sessão da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) nesta terça-feira (22).

    "Não vamos nos comprometer com a ativação de um mecanismo que os Estados Unidos não estão em posição de ativar por conta própria depois de deixar o acordo", disse Macron durante seu discurso transmitido remotamente devido à pandemia da COVID-19.

    "Isso prejudicaria o Conselho de Segurança [da ONU] e a integridade de suas decisões e agravaria ainda mais as tensões na região", acrescentou.

    O líder francês apelou à comunidade internacional para construir um quadro de ação útil e cumprir o acordo nuclear iraniano. Macron observou ainda que a política de "pressão máxima" dos EUA não atingiu a meta de encerrar a "atividade desestabilizadora" do Irã.

    Em 2015, o Irã assinou o JCPOA junto com Rússia, China, França, Alemanha, União Europeia, Reino Unido e Estados Unidos. O acordo exigia que o Irã reduzisse seu programa nuclear e diminuísse suas reservas de urânio em troca do levantamento de sanções contra o país, incluindo a suspensão do embargo de armas cinco anos após a adoção do acordo.

    Em Teerã, o presidente do Irã, Hassan Rouhani, ajusta sua máscara em frente a um painel no qual se lê a Presidência, em farsi, durante encontro no quartel-general de luta combate à COVID-19 no país, em 18 de julho de 2020.
    © AP Photo / Gabinete presidencial iraniano
    Em Teerã, o presidente do Irã, Hassan Rouhani, ajusta sua máscara em frente a um painel no qual se lê "a Presidência", em farsi, durante encontro no quartel-general de luta combate à COVID-19 no país, em 18 de julho de 2020.

    Em 2018, o governo do presidente norte-americano, Donald Trump, decidiu abandonar unilateralmente o acordo, retirando-se do JCPOA e implementando políticas de "pressão máxima" contra Teerã.

    No início deste ano, Washington lançou uma campanha pela restauração das sanções internacionais contra o Irã, especificamente, uma extensão do embargo de armas, mas teve os planos rejeitados pela comunidade internacional.

    Na segunda-feira (21), o governo dos EUA anunciou novas sanções contra o Irã. O enviado de Washington para o Irã, Elliott Abrams, disse que os EUA ampliarão as sanções contra Teerã até que o país retorne à mesa de negociações.

    Mais:

    'Isolamento máximo': Irã comemora fracasso dos EUA em restaurar sanções da ONU
    EUA anunciam sanções contra Maduro e ministério da Defesa do Irã
    Abrams promete que Irã pagará 'preço muito alto' em caso de ataque contra os EUA
    Irã contra Iraque: a guerra de mártires que levou 2 países à devastação
    Tags:
    Elliott Abrams, China, União Europeia, Reino Unido, Alemanha, Rússia, JCPOA, ONU, Emmanuel Macron, Donald Trump, Estados Unidos, Teerã, Irã, França
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar