15:39 26 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    1181
    Nos siga no

    A recente descoberta de uma cripta secreta na pequena capela de São Estanislau, na Polônia, pode ajudar os arqueólogos a descobrir o Santo Graal.

    A recente descoberta de uma cripta secreta na pequena capela de São Estanislau, na Polônia, pode ajudar os arqueólogos a descobrir o Santo Graal.

    "Nosso radar de penetração no solo detectou criptas góticas com restos dos cavaleiros templários debaixo da capela", afirmou à CNN o arqueólogo Przemyslaw Kolowski.

    Supostamente, próximo à capela havia um poço que serviu como entrada para um túnel secreto, mas ainda há mais pesquisas arqueológicas pela frente, disse o arqueólogo.

    A igreja foi construída pelos cavaleiros templários no século XIII após estes retornarem da Terra Santa.

    Segundo a lenda, os templários roubaram o Santo Graal do Monte do Templo durante as Cruzadas, tendo levado o objeto para a Europa.

    "O tesouro foi roubado, ou perdido para sempre nos pântanos", afirmou o historiador Marek Karolczak.

    De acordo com a lenda, o Santo Graal é geralmente descrito como a taça que Jesus Cristo usou durante a Última Ceia para transformar o vinho em seu sangue. O objeto sagrado poderia cicatrizar ferimentos e proporcionar a eterna juventude. Inspirados pela lenda, os arqueólogos têm procurado o Santo Graal, mas sem sucesso.

    Muitos historiadores são céticos sobre a sua existência. À parte da menção bíblica, O Santo Graal é descrito apenas em lendas dos tempos medievais. Mesmo quando um tesouro similar é descoberto, é quase impossível provar que tenha sido o usado por Jesus.

    Mais:

    Arqueólogos descobrem pela 1ª vez no Líbano lagar de vinho fenício da Idade do Ferro (FOTOS)
    'Livros de história terão de ser atualizados': vikings não eram quem nós pensávamos, diz estudo
    Mistério de manuscritos chineses de 2 mil anos é solucionado (FOTO)
    Tags:
    Santo Graal, Cruzadas, igreja, arqueologia, Polônia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar