09:17 30 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    2130
    Nos siga no

    O ministro das Relações Exteriores da Bielorrússia, Vladimir Makei, declarou nesta terça-feira (15) que as eleições presidenciais no país, mesmo "que não tenham sido ideais", tiverem o vencedor escolhido pelo povo.

    Na manhã desta terça-feira (15), o chefe da diplomacia da União Europeia, Josep Borrell, disse que o bloco europeu não considera Aleksandr Lukashenko o presidente legítimo da Bielorrússia, continuando a acreditar que as eleições de agosto foram fraudadas.

    Segundo ele, a União Europeia está revendo a interação com a Bielorrússia e estudando os setores em que as relações podem ficar congeladas. Borrell destacou também que as sanções contra a Bielorrússia deveriam ser adotadas o mais rapidamente possível, antes da reunião do Conselho Europeu de 24 e 25 de setembro.

    "Gostaria de entender com que base os representantes da União Europeia se colocam em pé de igualdade com o povo bielorrusso e se consideram no direito fazer veredictos por conta própria sobre a aceitabilidade dos resultados eleitorais para os bielorrussos", disse o chanceler bielorrusso à Sputnik.

    "Para mim, esses valores definitivamente não são equivalentes. E, em princípio, a que ponto chegará o mundo se todos os atores externos começarem a contestar diretamente os resultados do processo eleitoral em outros países?", acrescentou Makei.

    Segundo ele, o entendimento de Minsk sobre democracia diz respeito a "aceitar as opiniões da maioria, e não usar todos os meios e tecnologias disponíveis para refazê-las para si".

    Manifestantes tomam as ruas de Minsk e entram em confronto com policiais
    © Sputnik / Ilya Pitalev
    Manifestantes tomam as ruas de Minsk e entram em confronto com policiais

    Os protestos em massa começaram em toda a Bielorrússia em 9 de agosto após a eleição presidencial, na qual o atual líder Aleksandr Lukashenko venceu com 80,1% dos votos, de acordo com a Comissão Eleitoral Central do país.

    Os apoiadores da oposição foram às ruas ao não reconhecer a legitimidade da vitória de Lukashenko e foram reprimidos pelas forças de segurança com gás lacrimogêneo, canhões de água, granadas de efeito moral e balas de borracha. Mais de 6.700 pessoas foram detidas nos primeiros dias de manifestações. 

    Mais:

    Rússia enviará tropas para exercícios militares na Bielorrússia
    Lukashenko: eventos recentes em Minsk mostram que Bielorrússia deve ficar mais perto da Rússia
    Bielorrússia detecta movimentação de tropas da OTAN a 15 km da fronteira do país
    Kremlin confirma exercícios militares conjuntos entre Rússia e Bielorrússia
    Bielorrússia: protesto não autorizado reúne 3 mil pessoas em Minsk, 250 são detidas
    Tags:
    protesto, oposição, Aleksandr Lukashenko, eleição, Bielorrússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar