07:24 28 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    103610
    Nos siga no

    O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, advertiu no sábado (12) o seu homólogo francês Emmanuel Macron para que "não se meta" com Ancara após críticas da França sobre as atividades turcas no Mediterrâneo.

    "Não se meta com a nação turca, com a Turquia", afirmou Erdogan durante um discurso televisionado.

    "Você terá muito mais problemas comigo", acrescentou Erdogan respondendo a Macron que disse ter um problema com o presidente turco, cita agência AP.

    Nesta sexta-feira (11), antes da cúpula dos sete países mediterrânicos da UE (EuroMed7), o líder francês afirmou que a Europa deve ser "clara e firme, não com a Turquia como nação e como povo, mas com o governo do presidente Erdogan, que empreendeu ações inaceitáveis".

    A França e a Turquia, ambas membros da OTAN, têm estado em conflito relativamente à situação no Mediterrâneo oriental, devido à tensão entre a Grécia e a Turquia quanto à prospecção de gás e petróleo.

    Embarcação turca de prospecção sísmica Oruc Reis no mar Mediterâneo
    © AP Photo / Semih Ersozler
    Embarcação turca de prospecção sísmica Oruc Reis no mar Mediterâneo

    Por sua vez, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, expressou também a sua "profunda preocupação" com as operações da Turquia no Mediterrâneo oriental.

    No começo de agosto, Ancara informou que o seu navio Oruc Reis havia iniciado a prospecção no mar Mediterrâneo, em uma área que a Grécia considera sua Zona Econômica Exclusiva. O país europeu colocou suas Forças Armadas em alerta máximo.

    Mais:

    Tensões crescem, mas Turquia anuncia manutenção da busca por petróleo e gás no Mediterrâneo
    Turquia anuncia manobras no Mediterrâneo em meio a tensões com Grécia
    Turquia acusa Grécia de relutar em abrir diálogo sobre crise no Mediterrâneo
    Tags:
    Emmanuel Macron, Turquia, Recep Tayyip Erdogan, França, exploração de petróleo, mar Mediterrâneo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar