11:08 30 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    10915
    Nos siga no

    Enquanto a oposição bielorrussa decide não reconhecer resultados oficiais da última eleição presidencial em seu país, países do Báltico optaram por proibição de viagem ao presidente Lukashenko.

    Desta forma, hoje (31), Lituânia, Letônia e Estônia decidiram impor sanções proibindo viagens do presidente bielorrusso, Aleksandr Lukashenko, a seus territórios.

    A decisão dos três países bálticos vem enquanto outros Estados da União Europeia ainda não tomaram medidas semelhantes contra o líder bielorrusso, publicou a Reuters.

    Além de Lukashenko, outras 29 autoridades bielorrussas também foram alvo de proibição de viagem.

    De acordo com os três países, as pessoas sancionadas teriam vínculo com fraude eleitoral e alegada violência praticada pelas forças de segurança bielorrussas contra manifestantes insatisfeitos com a vitória de Lukashenko na eleição de 9 de agosto.

    Resposta bielorrussa

    Em declaração à Sputnik, o secretário de imprensa do Ministério das Relações Exteriores da Bielorrússia, Anatoly Glaz, afirmou que seu país terá que tomar medidas semelhantes.

    "Nossos vizinhos bálticos ainda lançaram uma espiral de sanções. Nós dissemos antes que a Bielorrússia será obrigada a tomar medidas de resposta adequadas em relação aos autores de tais passos. E isso será feito", declarou Glaz.

    Enquanto isso, a autoridade bielorrussa disse que "nós iremos esperar pacientemente o momento no qual o bom senso ressurgirá na cabeça de nossos parceiros. Estamos certos de que esse momento ocorrerá mais rápido do que pode parecer para alguns".

    Mais:

    Putin: Rússia parte da premissa de que eleições na Bielorrússia foram realizadas
    Moscou e Minsk defendem a normalização da situação na Bielorrússia por meio do diálogo
    Bielorrússia inicia exercícios militares perto da sua fronteira ocidental
    Tags:
    Bielorrússia, Aleksandr Lukashenko, sanções
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar