05:03 13 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    4480
    Nos siga no

    Itália e China precisam estreitar seus laços, disse o ministro das relações exteriores italiano, Luigi Di Maio, nesta terça-feira (25). A declaração pode colocar Roma em conflito com Washington, que costuma criticar as ambições econômicas de Pequim. 

    Di Maio falou depois de conversas com o principal diplomata do governo chinês, o ministro das relações exteriores Wang Yi, que está realizando um tour pela Europa que também incluí paradas em Holanda, Noruega, França e Alemanha.

    A Itália é a primeira grande economia ocidental a aderir ao projeto de infraestrutura internacional da China, a Nova Rota da Seda, ao assinar uma série de acordos em 2019. 

    "Foi um encontro muito proveitoso", disse Di Maio, acrescentando que conversou com Wang sobre como "relançar a parceria estratégica do ponto de vista econômico e industrial".

    Wang disse à imprensa que é importante que China e União Europeia fortaleçam as relações e aprofundem a cooperação para combater o coronavírus, informa a agência de notícias Reuters.

    O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, culpa Pequim pela disseminação da doença, que surgiu na China no ano passado. Ele também quer restringir o desenvolvimento global da gigante de telecomunicações chinesa Huawei, que acusa de fazer espionagem para Pequim.

    A Itália não acompanha a decisão de Washington de limitar a atuação da Huawei e Di Maio não tocou no assunto durante seu pronunciamento. 

    Em uma aparente referência às tensões com Washington, Wang disse que a China não quer uma Guerra Fria. "Uma Guerra Fria seria um retrocesso", disse o diplomata chinês. "Não vamos deixar outros países fazerem isso por seus próprios interesses privados, enquanto prejudicamos os interesses de outros países."

    Mais:

    O que leva China a digitalizar sua moeda nacional?
    França e EUA advertem contra utilização de embalagens de sementes 'não solicitadas' da China
    Porta-aviões Ronald Reagan conduz manobras da Marinha dos EUA no mar do Sul da China
    China condena 'invasão' de avião espião dos EUA em sua zona aérea restrita
    Exercícios navais da China conduzidos em 4 regiões exibem sua capacidade de conter EUA, diz analista
    Tags:
    COVID-19, economia, Nova Rota da Seda, Um Cinturão, uma Rota, China, Itália
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar